Declaração Cafeana

12 Comments


Nestes dias antes da entrada de mais um ano, o nosso pensamento entra em balanço, o que foi bem, o que foi menos bem, o que poderia ter sido melhor. Preparamos as nossas juras e promessas para o que aí vem, como se a passagem de um minuto para o outro - porque é disso que se trata - fosse resolver alguma coisa. 

Mas como não quero ser desmancha prazeres, aqui ficam os meus desejos para este ano: que haja menos hipocrisia, menos estupidez, menos cinismo, menos maledicência, menos ignominia. A tentativa de linchamento público ocorrido nestes últimos dias contra Abraão Vicente, e tudo por causa de um texto, claramente irónico, por ele escrito num blogue, e que só a ignorância transformou em notícia, mostrou uma vez mais o quanto navegamos à superficie das coisas, o quanto estamos prontos para atacar em vez de contrapor, de ofender em vez de defender pontos de vista, de julgar um carácter em vez de procurar conhecer a pessoa, de alimentar o preconceito em vez de elogiar a diferença, de chafurdar na lama em vez de ter a sabedoria suficiente de esperar que a terra poise e possamos, então sim, beber um pouco de água fresca, fonte de toda a vida.

Somos e vivemos num meio pequeno que padece de todos os males característicos dos meios pequenos. Caímos com demasiada facilidade no provincianismo tacanho, na pequenez dos anonimatos, no uso de máscaras como defesa pessoal, pela falta de coragem que temos em dar a cara pelos nossos ideais. Temos muitas feridas históricas e sociais por sarar e em vez de deixar que o tempo, a reflexão, a investigação e a honestidade curem as mazelas, estamos o tempo todo a escarafunchar, a pisar na carne viva, a voltar as costas à poesia e ao amor.

Os nossos espelhos apenas servem para reflectir as nossas virtudes e quando isso não acontece, olhamos um pouco mais abaixo e fixamos o nosso olhar no umbigo. Cada qual parece ser o centro do universo e quem aparece com o atrevimento de nos querer desviar desta rota comodista é de imediato alvo de um ataque feroz que apenas dislustra e define os seus autores. Somos demasiadas vezes vítimas da nossa forma redutora de olhar para a realidade, o nosso ponto de fuga aponta apenas para um caminho. Essa é a nossa maior desgraça.

A diferença entre o ano que está a terminar e o que vai começar bem que podem ser apenas os trinta segundos que separam o último minuto de 2011 do primeiro de 2012. Mas como seria bom se soubéssemos olhar para o mundo que nos rodeia de uma outra forma. Que fossemos capazes de olhar para o nosso concorrente (no trabalho, na arte, na política, no desporto, na escola) como um colega que nos motiva a ser um pouco melhor hoje do que fomos ontem. Que os abraços que damos uns aos outros, no calor da festa e da paródia, trouxessem à nossa forma de estar nesta sociedade um outro prisma, algo com um pouco mais de profundidade e, sobretudo, uma maior capacidade de entender quem opta por navegar rumo a outras latitudes, vestindo outras roupas, gritando outros slogans. 



You may also like

12 comentários:

Anónimo disse...

Pois, o Abraao é um SANTO que nunca tentou linchar ninguem. ó JB tu e o Abraao são compadres (o que é perfeitamente normal) por isso se defendem um ao outro.
já agora, qual é a tua opinião sobre o concurso publico para escola do primeiro ministro, representantes suberanos da França, Alemanha e da Igreja Catolica. Podes dar a tua opinião mesmo que seja também a ironizar.

JB disse...

A minha opinião, sinceramente, é que não leste nem o texto do Abraão nem o que vieste aqui comentar.

Um bom ano!

Anónimo disse...

Prezado João, antes de tudo um Feliz Ano para ti, com muita saúde e muitos cafés margosos.Sou totalmente contra o linchamento público e a fulanização. No entanto, sabes que o primeiro a insultar meio mundo, a faltar respeito a toda a gente é o Abrão, e com o salário que lhe é pago com o meu e o teu dinheiro. Ele agora apanhou, não por causa do post que é uma pura ficção, mas porque todo o mundo estava à espera de lhe dizer as verdades, já que nem ele permite comentários no blog dele, nem o Liberal permite que ele seja criticado nos textos insultuosos que escreve.Só é respeitado quem se dá ao respeito e ele ñão o faz e enquanto tu e eu lutamos pelo nosso ganha pão diariamente, ele se deleita ofendendo todo o mundo porque tem o salário do Estado garantido, mesmo sem dizer uma única palavra ou dar uma só contribuição durante o mês no parlamento.É hora de moralizarmos isso ou tudo acaba assim.

Abraço,
Tony Aguiar (aguiartony@live.pt)

Anónimo disse...

Ironizar? Um deputado nacional que diz tamanha estupidez, não é noticia, é lichamento publico. Haja mesmo santa paciencia...Depois dizem que o Scolari que é burro.

Anónimo disse...

Quer comentar isto?

http://liberal.sapo.cv/noticia.asp?idEdicao=64&id=34788&idSeccao=527&Action=noticia

JB disse...

A resposta foi dada pelo próprio: http://abraaovicente.wordpress.com/2011/12/30/o-regresso-do-samuraiou-quando-nem-adam-smith-e-saint-simon-ajudamo-santo-milagreiro-passa-por-embusteiro/

(um limk em troca de um outro link!)

Seja como for, se a discussão entrar no campo das ideias, já temos aqui uma melhoria. Porque é disso que se trata. Em nenhum momento eu fiz aqui a defesa do que o Abraão Vicente escreveu ou deixou de escrever. Apenas constatei as reacções que provocou e a forma como estas foram concretizadas.

Abraço e bom ano novo!

Anónimo disse...

Você nao percebeu patavina sobre o texto de Abraao. A comdçar pela "ignorância" da Semana em fazer da "ironia" uma noticia. ASemana foi sim inteligente pois sabia o que estava a fazer. Mais nao direi sobre este aspecto, porque nao sou professor de ninguém.

Sobre a ironia" do Abraao, parece que você aqui também estatelou-se. Como nao sou professor de ninguém, digo-lhe apenas para ir ler o que o unico PENSADOR como deve ser desta terra acaba de escrevder no Liberal.... depois claro, do Bouquinhas que pelos vistos esteve travestido entre os leitores comentadores da Semana....

JB disse...

Pois é, caro Anónimo: cada um tem o PENSADOR que merece, na sua eleição particular...

Um feliz ano novo!

Anónimo disse...

AH! felizmente que reconhece que o Abraao é seu PENSADOR! Eu pelo contrario, apenas constatei um facto real, porque se tivesse que escolher nao escolheria como é evidente o Casimiro. Nao, o Casimiro é meu aluno e aqui o aluno ainda nao ultrapassou nem ultrapassarà o Mestre!

JB disse...

Lá está, é a especialidade da (sua) casa: colocar na boca dos outros palavras e interpretações muito além do que é dito (ou escrito) na realidade. Quem falou de pensador não fui eu. Tenho os meus, naturalmente, o maior de todos chama-se Peter Brook e dedicou toda uma vida à reflexão sobre as artes cénicas. Sei que é muito rasteiro para certas latitudes muito mais apetrechadas intelectualmente, mas não isso nunca me incomodou por aí além!

Anónimo disse...

Please, please, JB! Dizer que Peter Brook é um PENSADOR é brincar com a inteligência de toda a Europa pensante que nunca disso isso.

Peter é sim um homem de teatro e cinema dos GRANDES. Mas PENSADOR, senhor JB nao é nem Brook nem Abraao.

Vou dar-lhe uma ajudinha: PENSADOR, era Cicero, Kant, Confucio, Heidegger, e por ahi fora....

Em Cabo Verde temos tido muito poucos PENSADORES, e o Casimiro com as suas reflexoes juridico-filosoficas, começa a ser um PENSADOR para o nosso meio. Mas repito, nao é o meu PENSADOR, como você tentou dizer, admitindo que Abraao seria a sua escolha como PENSADOR.

Um PENSADOR nao chama aos seus leitores iletrados e histéricos, como acaba de escrever no seu blogue o Abraao, somente porque esses mesmos leitores o criticaram. Tem razao isso é rasteiro!

Nao se esqueça que Peter Brook nao é PENSADOR nenhum. Ele escreveu algumas reflexoes sobre o teatro mas que ainda nao atingiram o patamar de PENSAMENTO dramatico....

JB disse...

"Ele escreveu algumas reflexoes sobre o teatro mas que ainda nao atingiram o patamar de PENSAMENTO dramatico...." Isto diz tudo... Mas pronto. siga para bingo e um feliz 2012!