Crónica Desaforada

3 Comments



Estamos todos enganados

1. Há dias, conversando com um amigo, chegamos à conclusão que o maior problema de Cabo Verde não é a pobreza de espírito, o descaramento, a falta de zelo, o compadrio, a lei do menor esforço, a falta de criatividade, a violência urbana, a incompetência, mas algo que reúne tudo isso numa coisa só. O nosso maior problema é mesmo um problema de mentalidade. E grave.

2. Voltamos ao mesmo. À mesma luta de sempre. Ao mesmo tema, porque não consigo ficar calado. A mais recente declaração aqui no Café Margoso, sobre a forma como está sendo implementada a disciplina de Expressão Dramática nos Liceus, teve até honras de primeira página num semanário da praça. A defesa da representante do Ministério de Educação foi inócua, vazia e encara o problema como quase sempre fazemos por cá: enfia a cabeça na areia, empurra com a barriga e siga o baile porque tudo está bem quando acaba bem. Problemas? Não! Há bagagem! Nós é que estamos todos enganados!

3. Mas a verdade é que não está bem. Não, não há bagagem, nem materiais pedagógicos de apoio, muito menos preparação metodológica para dar esta disciplina dentro das salas de aula. O último sinal foi-mo dado ontem. Como saberão, estamos em vias de apresentar no próximo fim de semana uma curta temporada de "Tempêstad", adaptação crioula da obra maior do génio da dramaturgia universal, William Shakespeare. Que melhor oportunidade do que esta, no Mindelo, para enriquecer uma disciplina que devia falar de teatro?

4. Fiz questão de entrar em contacto com os professores de Expressão Dramática aqui do Mindelo, enfatizando o fato de que a melhor forma de se falar e transmitir conhecimentos sobre esta arte, é vendo, é sentindo, é fazendo parte, é estando ali, na plateia. No teatro, tem que se ver para crer. Para se entender. Mesmo que seja para se concluir que aquilo não nos interessa para nada. Ver teatro para falar sobre teatro, essa sim é uma bagagem fundamental.

5. A resposta foi a esperada, mas mesmo assim, desanimadora. A única professora que se deu ao trabalho de falar com os seus alunos pediu que estes solicitassem autorização dos pais e encarregados de educação. A esmagadora maioria não obteve autorização dos pais para ir ao teatro! Isto é mesmo verdade? É uma comédia ou uma tragédia?

6. Não me espanta nada se alguém me disser que muitos destes jovens, agora não autorizados a usufruir de um bem cultural que pode vir a ser também uma importante ferramenta pedagógica numa disciplina curricular, fossem os mesmo que pululavam nas ruas do Mindelo, bebendo e fumando, na grande paródia do Halloween que as casas nocturnas ofereceram no passado fim de semana, a troco da módica quantia de mil e quinhentos escudos.

7. Depois, queixem-se! O mal começa em casa, nas famílias e continua na escola, até porque houve professores que nem se dignaram em responder à mensagem em que se fazia o convite aos seus alunos, procurando criar condições (leia-se, preços muito mais baratos), para irem ao teatro, ver uma obra de grande qualidade cénica, plástica, artística e toda ela, nossa, crioula, cabo-verdiana. Levar os alunos ao teatro? Eh, caramba, isso dá muito trabalho!

8. Mostrei-me disponível, mais uma vez, para ir às salas de aula, e depois do visionamento da peça, falar da mesma, das nossas opções dramatúrgicas, artísticas e estéticas. Ouvir as questões dos alunos - se as houvesse - e esclarecer todas as dúvidas e curiosidades. Mas assim, perante este silêncio, como fazer? Como avançar? Como crescer?

9. A minha parte está a ser cumprida. Coloco, com o meu trabalho e de uma enorme equipa de gente dedicada e competente, um produto artístico de altíssima qualidade (perdoem-me a imodéstia) ao serviço da comunidade. Incluindo a comunidade estudantil. Se isto não interessa, então mais uma vez estamos a ir pelo caminho errado e promover a disciplina de Expressão Dramática nas escolas é só mais um bluf, que apenas servirá os relatórios que, como tantas vezes acontece, são feitos para nos convencer que a realidade é muito melhor do que aquela que vemos todos os dias.

Mas nós, claro, é que estamos todos enganados!






You may also like

3 comentários:

Paulo Santos disse...

Dois países, um oceano, grandes distâncias...mesmos problemas "mentais"!!!
Às vezes isso desanima, às vezes...impulsiona-nos!
Então, à guisa de empurrão, lá vai um vocativo: John, Em frente!

Anónimo disse...

"A minha parte está a ser cumprida". Keep on track ;)

scodair disse...

De uns tempos para cá que venho dizendo que o nosso maior problema não é a violência urbana, mas sim a mentalidade, ou melhor, a falta de uma mentalidade forte e com vontade de vencer na vida por parte dos jovens cabo-verdiano.

A violência é um reflexo desta falta/ausência de mentalidade e uma consequência da inércia e da aversão a mudança.

Faz-me uma certa confusão um país que já teve no seu passado grandes intelectuais nas várias áreas (reconhecidos e estudados além fronteira), e com uma forte herança neste sentido, hoje não se olhar para a falta de estimulo intelectual que atravessamos, é como se o problema não fosse nosso.

Podemos perguntar quantas crianças/adolescentes/jovens são leitores assíduos ? Os país e professores estimulam o gosto pela leitura, Música, Teatro, Desportos?

Se sim, então porquê que cada vez temos mais jovens preocupados a fazerem planos para irem às festas mais "in" e aos festivais em vez de se preocuparem em fazer outras actividades?

O problema não é do Governo (seja ela qual for - não sou partidário) mas sim nossa. Incorporamos valores por acharmos que eram "cool" e "fashion" e que nós iam diferencia do resto. Sim, em parte verdade, mas quando se incorpora valores e estilos de vida é preciso saber doseá-las com aquilo que nós identifica e nos torna únicos e genuínos no mundo senão tornamos "banais" no mundo ou falar que temos uma identidade e uma cultura cabo-verdiana que nos identifica a todos.

A terra da morabeza precisa de olhar para si, escutar a si mesmo, e ver onde errou neste processo. O país só vai crescer bem se crescermos a nível intelectual.