Café com o Facebook

4 Comments




Uma das características mais interessantes da recente campanha eleitoral para as últimas e recentes eleições legislativas cabo-verdianas foi, sem dúvida nenhuma, o alargamento do debate para as redes sociais. Aqui o destaque vai inteirinho para o Facebook, já com inúmeros cabo-verdianos aderentes, e que tem funcionado como um local para comentar e discutir sobre um pouco de tudo, partilhar fotos e informações mais ou menos pessoais, nada muito diferente de outras redes também conhecidas e de elevada audiência, como o Orkut, o My Space ou o Hi5. Este último parecia mesmo ser o preferido, mas a onde facebokiana parece ter tomado conta dos espíritos crioulos e é hoje, muito provavelmente, a rede social mais usada pelos cabo-verdianos.

Mas o Facebook não é «apenas» uma rede social; já que pode-se transformar num fura casamentos. O número de divórcios que se efectivaram à conta do «livro de caras» e de outras redes sociais não tem parado de aumentar. Um estudo realizado recentemente revela que o Facebook foi evocado em quase todas as causas de separação nos últimos meses. O total de divórcios provocados, directa ou indirectamente, pelas redes sociais análogas ao Facebook, ronda os 28 milhões, imagine-se.

A rede social funciona como uma arca das infidelidades. «A razão mais apontada tem que ver com conversas sexuais inadequadas com pessoas com quem os utilizadores não as deveriam ter», revelou Mark Keenan, o director-geral do Divórcio-Online,

A dimensão do fenómeno é tal que já há empresas a desenvolver softwares próprios para que as pessoas possam espiar os seus companheiros através das redes sociais. Estes sítios da Internet constituem já um meio de prova muito utilizado pelos advogados especializados em divórcios e o Facebook é já considerado um dos “maiores amigos” dos juristas, um pouco por todo o mundo. Para se ter uma ideia, 81% deste profissionais recorrem a redes sociais para encontrar indícios de comportamentos impróprios por parte do elemento «adversário» do (ainda) casal.

Portanto, meus amigos, muito cuidado com a ténue fronteira entre o mundo real e o mundo virtual. Porque se começarmos a sonhar alto e a confundir realidades, muito possivelmente, e apesar de pensarmos que estamos a viver num sonho, acabamos por acordar num pesadelo.




You may also like

4 comentários:

Anónimo disse...

oi pa tudo alguem! ami na verdadi n'sta pensa na deixa de usa FB ntenel a serka de 3 anos e meio mas cada dia nsta atxa ma eh sta fazi com otus invadi nos privasidadi. nha problema eh ki n'kasabi modi ki nta nta kaba qual.

Octavio Garcia

Bitim disse...

O Facebook e o Google são os verdadeiros cartórios de registos notarial e identificação do mundo inteiro, quem regista fica para sempre!

Eu estou no Facebook, assim como estou no Google, no Hotmail, no Sapo, mas não temo nada, porque não tenho intenção de enganar nem aldrabar ninguém, ou seja eu vivo no mundo virtual da mesma forma como vivo no mundo real, isto é com sinseridade, respeito e educação! Além disso, as informações pessoais, fotografias e videos que eu coloco na internet a meu respeito, eu considero coisas banais.

Mas atenção! Ha que ter muito cuidado com as redes sociais da internet!

Anónimo disse...

João, tenho andado desaparecido e praticamente não tenho tempo para escrever nada. Leio mais livros e menos internet. Mas há coisas que não deixo de ler. Uma delas é o Café Margoso. Mas o branco sobre o laranja causa um efeito estranho à minha vista e poucos e após poucos minutos de leitura vejo muitas linhas brancas que perturbam a leitura. Ainda não pensaste na hipótese de alterar o blog ou de regressar ao formato anterior?

neulopes

JB disse...

Neu, bom te ver por cá. Agora que eu penso ter acertado no formato queres fazer com que mude de novo? Não há direito, mesmo sabendo que o cliente tem (quase) sempre razão!

Com vontade de voltar aos nossos bate-papos!

Abraço amigo