Um Café com Suzano

5 Comments




Suzano Costa, politólogo, jovem quadro cabo-verdiano residente em Lisboa e principal dinamizador do grupo Tertúlia Crioula deu uma entrevista ao jornal A Nação da qual deixo aqui registado os "momentos" mais interessantes. Gostei do que li.

«Paira entre esta geração uma preguiça intelectual gritante, um espírito absurdamente acrítico, o facilitismo, a não valorização do trabalho árduo, a ausência total de compromisso, disciplina e espírito de sacrifício ancorado nos valores da ética e da meritocracia.»

«O caminho passará necessariamente pela participação dos jovens em iniciativas que estimulem o espírito crítico e fomentem a cidadania activa por forma a edificarmos um novo paradigma de acção e lideranças transformacionais susceptíveis de conduzir o arquipélago a novos patamares de desenvolvimento.»

«A extrema bipartidarização da sociedade cabo-verdiana reproduz-se mimeticamente na nossa juventude e estes funcionam, por vezes, como caixas de ressonância dos dois partidos hegemónicos que até agora dominam o espectro político-ideológico nacional.»<

«A postura da esmagadora maioria dos jovens não difere dos “dinaussauros” da política cabo-verdiana porque existem interesses instalados e lógicas particularistas de reprodução endogâmica da classe dirigente.»

«A sociedade cabo-verdiana é extremamente partidarizada e politicamente bipolarizada, havendo uma cultura bastante clubística em relação aos partidos, um carneirismo partidário e uma cegueira política que enviesa a analítica da actualidade.»

«As posições extremadas veiculadas por muitos jovens nos debates que promovo estão, em larga medida, ancoradas no ideário político dos partidos dominantes mas também obedecem a lógicas de instrumentalização e arregimentação política estimuladas pelos partidos políticos que pretendem, tão somente, maximizar o universo do seu eleitorado e alargar as suas estruturas de oportunidade política.»

«Nós os cabo-verdianos lidamos muito mal com a crítica e, não raras vezes, confundimos a crítica construtiva, interpelada e fundamentada com o ‘falar mal’ de que somos especialistas.»

«Como sabe, esse deficit de discussão e debate público é cada vez mais gritante por culpa manifesta da comunicação social, da elite política e dos partidos políticos porque a discussão e a reflexão expõe a nu as fragilidades do poder e da classe dirigente.»

«O maior desafio futuro que se coloca às novas gerações de cabo-verdianos é pensarem pelas suas próprias cabeças e agirem em conformidade com os seus ideais e o bem comum. Isto implicaria, necessariamente, ter espírito crítico, ser empreendedor por vocação, não ir a reboque da cegueira política, do carneirismo partidário e não subscrever a forma clubística, fanática e excludente como que se vivencia o político em Cabo Verde.»

«Desculpe a generalização abusiva, inquinada e, quiçá, descontextualizada mas a esmagadora maioria dos quadros cabo-verdianos em formação não está preparada. Existe, sim, uma minoria extremamente qualificada que assumirá as despesas no futuro, pagará as facturas e “carregará o piano”.»




You may also like

5 comentários:

Anónimo disse...

Ok OK! muito bonito, mas o Suzano tem de voltar à terra para vermos se ele conseguirá manter o pensamento. a postura e o espirito critico. Atá hoje muito poucos conseguiram...basta ver o nosso querido Reitor da UniCV a lamber o rabo ao PM!!!Feliz natal ao margoso e aos leitores
Rita

JB disse...

Nessa perspectiva, anda tudo a lamber o rabo a dois ou três... de um lado e do outro!

Feliz Natal, com muitas lambidelas!

Anónimo disse...

Tu deves entender do assunto heheheh! rita

JB disse...

Vá lá, Rita. chama os bois pelos nomes. Diz quais são as polpas que ando aqui a lamber. Mandadura de boca, principal desporto de zona!

O problema é que tu nem vês que com esse tipo de comentários cais precisamente nessa enorme massa que não sabe ver que uma pessoa pode ter opções por convicção, que pode defender os seus pontos de vista sem ter que estar a "lamber" ninguém, assim como pode ter o seu espírito crítico aguçado sem que isso signifique, naturalmente, que ande a dar lambidelas "no outro lado" do espectro político/partidário.

Feliz natal para ti também.

lamin disse...

João, não conheço o Suzano, mas achei ajustadissimas as opiniões por ele defendida, traduziu em palavras de forma inteligente o retrato da nossa sociedade, esse anónimo como bem disseste é mais um desses carneiros que não conseguem desvincular das forças partidárias já que suas pernas não sustentam na posição ereta e assim não conseguem andar e firmarem pelo seu mérito . E mais quem disse que para ter opinião crítica sobre cabo verde é exigência estar em cabo verde ou querer assumir as rédeas do país? Muito se pode fazer e pelo que vejo a simples promoção de encontros pensantes no seio dos estudantes como ele faz já é uma tremenda colaboração pois a nossa juventude precisa ser estimulada a pensar de forma inteligente ,crítica , , sustentada pela opinião própria , coerente, livre de qualquer vinculo partidário. Abraços