Um Café com Cantona

3 Comments



A ideia de Eric Cantona, ex-futebolista francês que ficou conhecido tanto pelas suas qualidades como jogador como pela indisciplina e agressividade, para paralisar o sistema financeiro é interessante, mas terá seguidores? Este defendeu numa entrevista a um jornal regional francês que são precisas formas de contestação alternativas às greves e às manifestações e que é necessário que se faça "uma verdadeira revolução".

Como? Ele explica:

"Não peguemos em armas para matar pessoas e começar uma revolução. Nos dias de hoje, é muito fácil fazer uma revolução. O sistema assenta no poder dos bancos, por isso tem de ser destruído através dos bancos",ou seja, o seu conceito de revolução é simples: "Em vez de irmos para as ruas, conduzir durante quilómetros, basta ir ao banco e levantar o dinheiro. Se houver muita gente a fazer levantamentos, o sistema colapsa. Sem armas, sem sangue."

O maior problema desta ideia "revolucionária" reside no facto de a maioria das pessoas que estão tão revoltadas contra o sistema vigente que pudessem aderir a tão radical tomada de posição, provavelmente, não tem hoje nenhum dinheiro no banco para retirar. Essas sim, estão em colapso há muito tempo. E ao contrário do que aconteceu com o sistema financeiro, não há governo que os acuda.



You may also like

3 comentários:

Bitim disse...

Em Cabo Verde os bancos são tão ricos, gordos, gordos e endinheirados que não abalavam com levantamentos em massa dos pobres manifestantes.

JB disse...

Também me parece...

Arsénio disse...

Essa foi boa (o último parágrafo).