Declaração Cafeana

5 Comments



Um dos episódios mais interessantes do dia da minha primeira experiência na cidade do Mindelo, onde cheguei por mão e conselho do músico Vasco Martins - a quem sou, também por isso, eternamente grato - foi ter sido levado, no próprio dia de chegada à ilha, até casa de uns amigos do Vasco, para entre muita euforia assistir a um clássico do futebol português entre o Sporting e o Benfica. Fiquei espantado com a forma entusiástica e conhecedora com que se acompanhava o campeonato luso, algo que se mantém até hoje, até com mais visibilidade.

Nunca mais me esqueço de assistir a alguns jogos na rua, à porta da casa do fotógrafo Djibla, que apanhava a emissão com a sua antena e, de forma generosa, colocava uma televisão num parapeito da sua casa para que os amantes da bola pudessem seguir as incidências das principais partidas do campeonato português. Nessa época não havia Internet, nem Sport TV, nem transmissão de jogos pela televisão nacional de Cabo Verde. O futebol era seguido pela rádio, com o mesmo entusiasmo com que é seguido hoje pela televisão.

Aqui também "aprendi" a passear orgulhosamente pela cidade a camisola do meu clube que, como não podia deixar de ser, é o FC Porto. E desde que conheci, também nesses primeiros tempos, um taxista entusiástico adepto dos dragões que coleccionava camisolas do clube, passei a fazer o mesmo, mais ainda nos dias de hoje, onde por questões de marketing, estas mudam de formato e cores quase todas as épocas. E felizmente que nestes últimos vinte anos tenho tido todos os motivos e mais algum para passear esta indumentária pelas ruas do Mindelo: o FC Porto é um clube diferente que, graças às muitas vitórias nacionais e internacionais, ao seu poderio e competência, continua a fazer crescer a olhos vistos os adeptos que vai conquistando um pouco por todo o mundo. Não é por acaso também que as minhas duas filhas são hoje acérrimas adeptas do clube azul e branco e que para a mais nova Inês, a música preferida seja a dos Filhos do Dragão.

Na cidade do Mindelo, assim que festejamos o último campeonato com um cheirinho à-la-Electra - com um delicioso apagão em pleno Estádio da Luz - ouviam-se da janela da minha casa, em Monte Sossego, inúmeras buzinas e gritos de vitória. Adeptos gritando o nome do seu clube das janelas e varandas das suas casas. Somos cada vez mais. E é natural que assim seja. Neste mundo triste e perigoso, as vitórias do nosso clube do coração são um bálsamo para a alma. Por isso também, foi delicioso estar ontem num bar do Columbim a abarrotar de adeptos do FC Porto para testemunhar mais um momento extraordinário do clube que, ao golear por 5-1 o adversário numa meia final de uma competição europeia, deu mais uma prova do seu poder de fogo dentro de campo. Neste local, havia dois bares, cada um com a sua televisão, cada um passando o seu jogo. E devo dizer, sem que isso queira dizer nada, que no lado onde se festejou cinco vezes, o número de clientes era substancialmente. Coincidências...






You may also like

5 comentários:

Pedro Branco disse...

Pois é, mano. É um clube muito especial! Abraço. Vamos a Dublin? Ou ao Jamor?

Bitim disse...

Por favor, não misturar as coisas! Clientes são clientes, adeptos são adeptos.

Concordamos que o FCPorto domina o futebol português nos ultimos anos e com merito e justiça, mas o numero de adeptos, a fama e a glória que o Benfica tem no mundo, o FCPorto ainda lá não chega.

Particularmente em Cabo Verde, a diferença é enorme, basta só ver as comemorações do ano passado e deste ano.

Ivan Santos disse...

...pois é JB, ano passado tbm escrevias um post sobre a comemoração benfiquista do titulo de campeão nacional e estranhavas/comparavas essa vitória com a de Cabo Verde na final da Taça Amilcar Cabral no ano em que chegaste a Cabo Verde!!
...podeh pa um...podeh pa tudo!!!heheheheheheh
Já agora parabéns pelo campeonato e pela época...do teu FCP!

saudações gloriosas!!

Anónimo disse...

Ó João, o bar ao lado é de sportinguistas, meu!

Hehehehe!!!

a) RB

JB disse...

Bitim, tens razão, não se compara. Nem precisa. Agora, que cresce a olhos vistos, lá isso cresce. Ganhar, fazendo parte de uma minoria, sabe sempre melhor!

Ivan, tens razão... hehehehe

RB, e eu não sei? Mas nesse dia, onde estava o Sporting a jogar? Ai, ai... (bom rever-te por cá!)