Declaração Cafeana

22 Comments




O debate a que estamos a assistir na blogosfera cabo-verdiana sobre a logomarca Cabo Verde é muito interessante, mas seria bom aproveitarmos esta ocasião para ir um pouco mais fundo no cerne da questão. Se este trabalho foi, como parece ter sido mesmo que não o tenha, resultado de uma cópia mais ou menos descarada, e se isto foi um concurso público, há que se fazer um rigoroso inquérito e apurar a verdade dos factos, decidindo o que fazer conforme o que se apurar.

Mas desconfio que aqui, como em muitos outros casos, a culpa vai morrer solteira, se existir alguma culpa a atribuir a alguém. Em primeiro lugar, seria bom o autor da proposta vir a terreiro dar as suas explicações para elucidar sobre as muitas "coincidências" que ensombram o logo vencedor do concurso, até porque quem não deve não teme.

Mais do que isso devíamos, na minha opinião pessoal, aproveitar este episódio para aprofundar duas questões centrais:

1. O estado geral do design em Cabo Verde: basta ver as propostas de publicidades em revistas e jornais, o próprio design dos órgãos de comunicação social escrita, de outdoors, de cartazes dos mais variados eventos, para ter claro que estamos muito mal servidos neste domínio. Falta criatividade, ousadia e competência, onde impera a lei do menor esforço. Como observador falo.

2. A forma como se copia, descaradamente, sem que ninguém seja chamado à responsabilidade: vivemos no reino do plágio, onde ideias e propostas que se vêm noutros locais, sejam leis, logos, medidas de intervenção, canções, estilos, modas já existentes depois se tornam em pseudo-inovações resultantes do trabalho e labor criativo de génios fenomenais nascidos de geração espontânea.

Imagem criada por Hedy Cardoso, no novo blçgue design cabo verde, aqui


Adenda: entretanto, o autor do logo vencedor, o arquitecto Rafael Fernandes reagiu, como poderão ver nos comentários. E não se limitou a comentar aqui no Café Margoso: criou um blogue onde explica tudo e diz de sua justiça. Considero que foi uma atitude digna e corajosa. Agora tenhamos nós a inteligência de, mesmo sem concordar com o logo ou com a memória descritiva que o sustenta, para debater de forma elevada e séria este tema e as outras questões que levantei nesta declaração.

Para mais informações sobre a logomarca CV, consultar: aqui




You may also like

22 comentários:

Anónimo disse...

Sobre isto, acabo de encontrar alguns links relevantes:

Página do Observátorio do Turismo:
http://www.observatoriodoturismocv.org/modulo.php?l=detalhe&m=destaques&r=85

Mémoria descritiva do logótipo:
http://www.observatoriodoturismocv.org/multimedia/CABO%20VERDEapresentacaoFINAL_v2alta.pdf

Devo dizer que gostei mais dos logotipos das ilhas do que da própria marca. De todo o modo, a memória descritiva está impecável.

RF disse...

O Autor manifesto a total disponibilidade para todos os esclarecimentos, mas proponho que seja num encontro/debate "real" olhos nos olhos, com projectores, perguntas e respostas de forma participada, com paixão!

Via net nunca mais saímos disto e tempo é coisa que escasseia.

É bom ver que acusam-me de ter plagiado vários logótipos em simultâneo (TAP, ALLGARVE, BRASIL, Oeiras, MEXICO, Andalucia, Bahamas, etc, etc, etc ...). Isso deixa-me mais tranquilo, pois significa que não há plágio de facto. Acho eu que é impossível plagiar todos de uma só vez, não?

Isso só demonstra que o logo está em sintonia com o que melhor se está a fazer a nível mundial, o que só dignifica a imagem do país e não nos envergonha com um logo dejá vu.

Antes diziam que o logo não tinha força/qualidade nenhuma, que era fraquinho, mauzinho, nulidade, etc ...

Depois puseram em causa o facto de eu ser Arquitecto.

Agora já dizem que é plágio/cópia de vários logos ao mesmo tempo.

Só espero que ninguém venha a aparecer a reclamar a ideia. (risos)

O logo é um todo baseado no design das ilhas. O logo recebe mais força e importância por causa das ilhas, que lhe dá característica e distinção, mas infelizmente é o lettring que está a ser fonte da polémica? pelas cores? altero já o esquema de cores! começo já de trás para a frente e faço um mirror às cores! pena que "Cabo" irá ficar na cor verde e "Verde" irá ficar na cor amarela/laranja! (risos)

Plágio remete para uma imitação e/ou cópia fraudulenta, reconhecido de todas as formas, certo? Uma das técnicas de detectar de forma clara o plágio é comparar positivos e negativos dos logos, onde podemos captar os respectivos Princípios Simbólicos e Estruturais.

Gostaria de poder enviar umas imagens com a estrutura do logo para ser publicado e ajudar a esclarecer todas as dúvidas, pode ser?

Estão a agarrar muito no lettring (para mim o menos importante no logo, mas prontUS). As fontes são diferentes! vejam as espessuras das letras.

A sobreposição das letras tem o significado de "União/Unicidade" e foi sobreposta segundo um esquema que poderei enviar tb para ser publicado, sem um pensamento prévio das cores.

O logo pode receber outro esquema de cores sem problema nenhum e a estrutura do logo mantém-se intacta.

Gostaria de poder publicar algumas dessas imagens. Será que tenho de criar um blog específico só para isso?

Com muito amor e carinho ;)
Rafael Fernandes
mail: arq.rfernandes@gmail.com

RF disse...

(Part I)

O Autor manifesto a total disponibilidade para todos os esclarecimentos, mas proponho que seja num encontro/debate "real" olhos nos olhos, com projectores, perguntas e respostas de forma participada, com paixão!

Via net nunca mais saímos disto e tempo é coisa que escasseia.

É bom ver que acusam-me de ter plagiado vários logótipos em simultâneo (TAP, ALLGARVE, BRASIL, Oeiras, MEXICO, Andalucia, Bahamas, etc, etc, etc ...). Isso deixa-me mais tranquilo, pois significa que não há plágio de facto. Acho eu que é impossível plagiar todos de uma só vez, não?

Isso só demonstra que o logo está em sintonia com o que melhor se está a fazer a nível mundial, o que só dignifica a imagem do país e não nos envergonha com um logo dejá vu.

Antes diziam que o logo não tinha força/qualidade nenhuma, que era fraquinho, mauzinho, nulidade, etc ...

Depois puseram em causa o facto de eu ser Arquitecto.

Agora já dizem que é plágio/cópia de vários logos ao mesmo tempo.

Só espero que ninguém venha a aparecer a reclamar a ideia. (risos)

O logo é um todo baseado no design das ilhas. O logo recebe mais força e importância por causa das ilhas, que lhe dá característica e distinção, mas infelizmente é o lettring que está a ser fonte da polémica? pelas cores? altero já o esquema de cores! começo já de trás para a frente e faço um mirror às cores! pena que "Cabo" irá ficar na cor verde e "Verde" irá ficar na cor amarela/laranja! (risos)


Rafael Fernandes
mail: arq.rfernandes@gmail.com

RF disse...

(Part II)

Plágio remete para uma imitação e/ou cópia fraudulenta, reconhecido de todas as formas, certo? Uma das técnicas de detectar de forma clara o plágio é comparar positivos e negativos dos logos, onde podemos captar os respectivos Princípios Simbólicos e Estruturais.

Gostaria de poder enviar umas imagens com a estrutura do logo para ser publicado e ajudar a esclarecer todas as dúvidas, pode ser?

Estão a agarrar muito no lettring (para mim o menos importante no logo, mas prontUS). As fontes são diferentes! vejam as espessuras das letras.

A sobreposição das letras tem o significado de "União/Unicidade" e foi sobreposta segundo um esquema que poderei enviar tb para ser publicado, sem um pensamento prévio das cores.

O logo pode receber outro esquema de cores sem problema nenhum e a estrutura do logo mantém-se intacta.

Gostaria de poder publicar algumas dessas imagens. Será que tenho de criar um blog específico só para isso?

Com muito amor e carinho ;)
Rafael Fernandes
mail: arq.rfernandes@gmail.com

Catarina Pinina disse...

Já viste a petição homofóbica que anda a circular por aí???

RF disse...

Acabei por criar um blog especificamente só para explicar o processo de criação do logótipo da Marca Turística Cabo Verde, ilustrando todo o percurso efectuado (com imagens em bruto!) desde o início, passo a passo, até à proposta final.

http://logomarca-cv.blogspot.com/


Façam bom proveito e tirem as vossas conclusões.

(Rafael Fernandes, arquitecto) - autor do logótipo vencedor.

Trêza disse...

Só achei estranho não haver nenhum designer no Juri...

O Juri responsável pela avaliação de propostas e pela eleição do logótipo vencedor foi composto por:

Presidente do Juri
Dr. Carlos Pires Ferreira - Director Geral do Turismo de Cabo Verde

Juri Nacional
Dra. Filomena Ribeiro - Assessora do Turismo, Ministério do Turismo, Indústria e Energia
Dra. Eileen Barbosa - Administradora de Marketing, Cabo Verde Investimentos
Dra. Conceição Monteiro - Presidente, Associação das Agências de Viagem e Turismo de Cabo Verde (AAVTCV)
Dr. Olavo Correia - Presidente, Associação Cabo Verdiana dos Promotores Imobiliários Turísticos (PROMITUR)
Dra. Gilda Évora - Sociedade de Desenvolvimento Turístico das Ilhas de Boa Vista e Maio (SDTIBM)

Juri Internacional
Professor Doutor Paulo Águas - Director, Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve
Professor Doutor Jorge Costa - Presidente, Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo
Dr. Javier Blanco - Organização Mundial do Turismo

Ivanethe Almeida dos Reis disse...

pra quem queira saber mais sobre o código de autor consulte o link

https://ciist.ist.utl.pt/docs_da/codigo_direito_autor_republicado.pdf

Gi, Lisboa disse...

Oi, Rf
Olha o teu trabalho está lindo. Gostei muito.
Não liga por isto ou aquilo que estão a insinuar, sabes é dor de cotovelo deles.
Um abraço.

EFR disse...

homofóbico (homofobia + -ico) adj. 1. Que é relativo a ou revela homofobia. s. m. 2. Pessoa que revela atitudes ou actos de homofobia. A homofobia (homo=igual, fobia=do Grego φόβος "medo"), é um termo utilizado para identificar o ódio, a aversão ou discriminação de uma pessoa contra homossexuais e, consequentemente, contra a homossexualidade, e que pode incluir formas subtis, silenciosas e insidiosas de preconceito e discriminação contra homossexuais.

Senhora CATARINA PININA,
Primeiro chamo-lhe a atenção: A Senhora não me conhece de lado nenhum para saber das minhas fobias, desagrados, discriminações e complexos. Por acaso, posso ser homossexual e escrever exactamente o que escrevi na petição. Isto é, falei de que um Logo deve evitar todas as conotações e denotações desnecessárias com relação ao seu propósito, independentemente de ser bandeira de “macho mens” ou de “homossexuais”. Segundo: Permita-me lhe esclarecer de que o complexo é algo bivalente. Posso ser complexado se tiver manifestações de desrespeito para com uma orientação sexual diferente da minha ou também posso ser complexado se fizer do assunto tabu, em que não se refere a uma orientação sexual para não denunciar algo contra ou a favor. Ou pelo menos evitar qualquer tipo de confusões. Minha Senhora, tenho amigos com todo o tipo de orientação sexual que pode imaginar. Sou um Homem que para além de não ter complexos face a nenhuma orientação sexual, também não tenho complexo em identificar nada referente a qualquer um deles. A questão é que existe uma Bandeira cujas cores são iguais ou denotam outras. Independentemente do que forem essas bandeiras, identificá-las em nada mostra homofobia ou outra qualquer fobia.

Saudações,
Emílio Fernandes Rodrigues (Autor da Petição)

Kuskas disse...

Estava a faltar o senhor doutor em marketing (EFR) fazer seu comentário. Fico a pensar como é que esse "génio" em marketing, não teve a "ideia" de participar no concurso. Terá sido pelo seu excesso de "criatividade"?

Pessoal, cada um com a sua opinião, mas acho que a nossa marca do turismo está muito boa. Pelo menos é melhor que não ter marca nenhuma. E particularidades a parte de cada ilha, nenhuma delas tem valor acrescentado sem as outras.

Abraços Joao

Anónimo disse...

Quem é Rafael Fernandes AKA Di Books ? Menino bonito da Praia. Filho de gente de bem. Casado com filha de Carlos Veiga. Portanto ... o lógico era ele ganhar o concurso ... ou não ?

Anónimo disse...

Pelo que sei ser filho de gente de bem e a escolha de parceiro de casamento nunca foram pecado. Corrijam-me se estiver enganado.

Anónimo disse...

Não sei porque é que adoram minimizar o que não é da vossa autoria ou da autoria dos vossos amiguinhos (os que se lambem entre si)?
Poupem a população dessas idiotices.
Adorei o logo, como caboverdesa (como diz a Eileen) me identifiquei sim, sou leiga?, sou sim mas amei. As cores me fazem ver Cabo Verde e o seu povo, o verão, no meu caso, natural de Mindelo, as cores até me lembram a Rua da Praia com todas as suas cores e vida. As pedras lindas das nossas praias, pedras essas que até hoje ainda me dou ao trabalho de andar kms a procura das mais bonitas para levar para casa, enfim... Deixem o RF em paz. Ele é merecedor.
Bzôt pará de vendê bzôt pêx. Jal ganhá a bzôt psu.
Anónimo e com orgulho, ao contrário de muitos que não o são mas com um único objectivo, o de aparecer e de se auto-projectar.
Sorry João mas é que enerva...

Anónimo disse...

O Governo só agora publicou o Plano Estratégico no BO:

http://www.incv.gov.cv/_publicacoes/geral/A7A329F4-F98D-1644-BFF4D6C7020C44B906072010110255.pdf

Ou seja, só depois de se anunciar o vencedor do concurso é que se publica o Plano Estratégico de Desenvolvimento do Turismo??? Será reacção às críticas apontadas nesta linha???

Anónimo disse...

Depois de ler a notícia da polémica e antes de ir de fim de semana vim espreitar a fofoca que anda por aí à volta do logótipo Cabo Verde e resolvi deixar o meu comentário na qualidade de estudioso e amante da música.

O som, ou melhor, a nota musical, tem uma associação ao mundo das cores, de acordo com o seguinte princípio de relação geral:

DÓ = VERMELHO
RÉ = LARANJA
MI = AMARELO
FÁ = VERDE
SOL = AZUL
LÁ = ANIL
SI = VIOLETA

Assim sendo, ALLGARVE deveria ser escrita com as seguintes notas musicais:

RÉ-RÉ-RÉ-RÉ-DÓ-FÁ-FÁ-SOL
(não inclui os ditos cinzentos)

e CABO VERDE deveria ter a seguinte "pauta" musical:
MI-RÉ-RÉ-DÓ ... FÁ-FÁ-SOL-SOL-SOL

Ajudei a esclarecer alguma coisa?

Bom fim de semana a todos

PS - gostei do logótipo e chamar de plágio será demasiadamente abusivo e agressivo para o seu autor, que terá de levar essa crítica para a eternidade da história.

Fidju Terra
(prefiro manter no anonimato porque não pretendo qualquer protagonismo alheio, mas as pessoas que conhecem as minhas "teorias" sabem quem sou)

Anónimo disse...

Correção.

Vendo melhor o logótipo no blog do autor, CABO VERDE deveria ter a seguinte "pauta" musical:

MI-RÉ-RÉ-DÓ ... FÁ-FÁ-SOL-LÁ-SOL

Anónimo disse...

O anonimato só é condenável quando é usado para agredir sem dar ao outro a chance de defender-se (acho eu de que).

Jeremias disse...

Só agora tomei conhecimento dessa polémica. Vivo nos Estados Unidos e conheci relativamente bem a pessoa que quer ganhar protagonismo com esse caso.

Que moral tem essa pessoa que tem as costas quentes porque conta com o apoio do aparelho do partido - como outros tantos por aí, que estão a saltitar de poiso em poiso, para colocar em causa um concurso do próprio Governo de Cabo Verde?

Ele já esteve em vários sítios de onde acaba sempre por ser corrido. Perguntem ao Veríssimo Pinto. Ele já arranjou tanta polémica e confusão noutros sítios.

Na Praia, fez das suas e deixou milhares de contos em dívidas com credores e deixou alguns dos fiadores a pagar as suas contas, enquanto ele continua a vender charme e bazofaria em São Vicente, onde sentiu-se obrigado a refugiar-se. Perguntem-lhe o que é feito da "Caravela" da Praia (sim, aquele da dança do ventre).

Como é possível uma pessoa sem carácter, aproveitar a onda de um concurso público, para auto-promover-se assim, pondo em causa tudo e todos. Sou do PAICV, mas há coisas e pessoas que estão a ser protegidas de mais e que só prejudicam o partido, por causa de interesses pessoais mesquinhos e incompetência gritante. Perguntem nos nossos bancos comerciais, principalmente no BCA, quem é esse "senhor".

JB disse...

Atenção ao nível, please.

Anónimo disse...

Direcção Geral do Turismo põe Ponto Final dessa novela.

ver link da notícia na TCV

http://www.rtc.cv/tcv/index.php?paginas=40&id_cod=3971&data=2010-07-10

O processo é irreversível, o jurí decidiu está decidido, e a partir do dia 23 de Julho dá-se início à promoção da Marca.

Neu Lopes disse...

Que saudades do João Vário! Valha-me Deus!