Café com Tudo

9 Comments









Quando já não havia outra tinta no mundo 
o poeta usou do seu próprio sangue.
Não dispondo de papel, ele escreveu no próprio corpo.
Assim, nasceu a voz, o rio em si mesmo ancorado.
Como o sangue: sem voz nem nascente.



A imagem é de Gregory Colbert, a música de René Aubry, o texto de Mia Couto. E agora, alguém tem a coragem de dizer que a vida não é uma coisa espantosamente bela?






You may also like

9 comentários:

lalage disse...

Obrigada por me dar a conhecer René Aubry :)

Trêza disse...

Com as audiências a mandarem que se fale apenas de crise, futebol e corrupção, às vezes é preciso que alguém nos lembre que há mais do que apenas isso...

Obrigada!

:-)

E.F. disse...

esta imagem é deliciosa...

JB disse...

A música foi «descoberta» graças ao blogue Branco no Branco, que está aí nos links e que é dos espaços mais deliciosos da blogosfera. Vale a visita frequente.

lalage disse...

Branco no Branco.
Vou explorar.

Gi, Lisboa disse...

A vida é bela quando há paixão em tudo. Temos que estar apaixonados para ver e fazer coisas belas.

Lily disse...

Imagem, música e texto deliciosos!

Lily disse...

Imagem, música e texto deliciosos!

mdsol disse...

Ohhhh

Eu gosto quando aqui venho.


:))))