Declaração Cafeana

0 Comments



Como foi público, participei, em representação do Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo, em vários encontros organizados pela nova direcção da Associação Mindelact, para preparação do Março - Mês do Teatro. Continua a espantar-me a quantidade de projectos teatrais existentes na cidade do Mindelo. É verdadeiramente impressionante a dinâmica conseguida e a forma como a arte cénica é hoje uma arte de primeira necessidade. 

Desde o teatro nas escolas, com grupos organizados ou apresentação de dramatizações, grupo de teatro na Cadeia Civil, oficinas de teatro para crianças, jovens explorando a magnífica história de D. Quixote, projectos individuais de elevado risco, companhias já consagradas, recomeços inesperados, gente nova, menos nova, homens, mulheres e crianças, todos unidos neste amor incondicional pelo teatro, cada um apresentando as suas propostas, estreias, muitas estreias, espectáculos na rua, em locais inusitados e nunca antes experimentados, a possibilidade de utilização do auditório público sem pagar aluguer, muitos ensaios, trabalho, suor.

Esta é a melhor forma de promover o teatro. Fazendo. Não é por acaso que quando o Março - Mês do Teatro foi criado, há 14 anos atrás, o lema proposto foi "mais teatro para um melhor teatro". E o programa deste ano, que reúne um leque impressionante de espectáculos já é uma vitória, porque corresponde a uma promoção ao teatro de grande tamanho e alcance. Sabem de uma coisa? Vejo o panorama do teatro actual no Mindelo e sorrio, orgulhoso. Eu contribuí para isto!

Nem todas as peças serão do agrado de todos. Nem todos os espectáculos provocarão ruidosos aplausos e entusiásticas criticas. Nada mais normal. Mas esta energia contagiante, apesar de Carnaval, apesar da crise, apesar da inoperância dos responsáveis, apesar das dificuldades, apesar da falta de locais para ensaio, apesar das injustiças, apesar da falta de meios financeiros, esta força colectiva do teatro em Mindelo, tornou-se algo indestrutível. Este mês de Março que vem aí, é a maior prova disso.

Viva o teatro!



You may also like

Sem comentários: