A fotografia é da peça «Miséria», um dos espectáculos mais extraordinários que já vi na vida, e que Cabo Verde pode apreciar no longínquo festival Mindelact em 1998, na única participação do Teatro de Marionetas do Porto no nosso festival de teatro. A mão que dá vida é de João Paulo Seara Cardoso, o grande mago e mestre das marionetas em Portugal, meu primeiro mestre das artes cénicas. Morreu ontem. Mais um grande que cai. Miséria.




Uma das notícias do dia: «a renovação das estruturas dirigentes cabo-verdianas tem de ser feita na base da continuidade, disse à Lusa o presidente da Juventude do Partido Africano de Independência de Cabo Verde.» (link)

Pois, eu só não sei se isso é uma boa ideia...







«A respiração contínua do mundo é aquilo que ouvimos e chamamos de silêncio.» 


Clarice Lispector - Escritora


Imagem: fotografia de Luciano Brandão







Quais são as palavras que nunca são ditas?

À melhor resposta, ofereço um café










A minha filha Inês, que vai fazer cinco anos daqui a dois meses, mandou-me este desenho. Um coração, explicou-me ela. Olhei com atenção e pensei que coração de gente deve ser exactamente assim. Que aquele pedaço de papel representa, de facto, a metáfora perfeita do que é um coração humano: vermelho, caótico, desarrumado, com provas de feridas mais ou menos saradas e sinais estranhos que ainda não conseguimos descortinar. Um coração com vida. Um coração que ama. Olho para este desenho e penso que a Inês tem toda a razão. Foi a mais perfeita representação gráfica de um coração humano que eu já vi na vida.





Conta uma testemunha ocular de Nova York:

Num frio dia de Dezembro, alguns anos atrás, um rapazinho de cerca de 10 anos, descalço, estava em pé em frente a uma loja de sapatos, olhando a montra e tremendo de frio.

Uma senhora aproximou-se do rapaz e disse:

- Você está com pensamento tão profundo, a olhar essa montra!
- Eu estava pedindo a Deus para me dar um par de sapatos - respondeu o garoto...

A senhora tomou-o pela mão, entrou na loja e pediu ao empregado para dar meia duzia de pares de meias ao menino. Ela também perguntou se poderia conseguir-lhe uma bacia com água e uma toalha. O empregado atendeu-a rapidamente e ela levou o menino para a parte detrás da loja e, ajoelhando-se lavou os seus pés pequenos e secou-os com a toalha.

Nesse meio tempo, o empregado havia trazido as meias. Ela calçou-as nos pés do garoto e também comprou-lhe um par de sapatos.

Depois entregou-lhe os outros pares de meias e carinhosamente disse-lhe:

- Estás mais confortável agora.

Como ela se virou para ir embora, o menino segurou-lhe na mão, olhou o seu rosto com lágrimas nos olhos e perguntou:

- Você é a mulher de Deus?


História relatada por Leo Buscaglia





Vasco Martins, músico, poeta e amigo, o homem que provavelmente tem maior sensibilidade para sentir a natureza que brota da ilha de S. Vicente escreveu no seu blogue Deserto do Sul: «Nunca estive de acordo com a construção da estrada litoral mas quando teimam em construir estradas e pontes avançam! Agora que está feita gosta dela! Às vezes tenho a impressão que gastaram um milhão para eu e os meus amigos catitas usufruirmos dela. Erro de paralaxe é bem claro. Mas aproveito aproveito: penetro nos vales misteriosos, medito nas dunas de arenito, cheiro a rara carqueja, vejo o voo espiral das águias, contemplo o oceano Atlântico, as grandes nuvens que nunca param de passar, o vento de Nordeste esculpe as ondas, a estrada vai vai parece ir até às antípodas quando a Lua sobe, ilumina as brumas que tocam os picos dos montes.»

Não podia estar mais de acordo. Como eu adoro aquela estrada! A paisagem e a beleza que dela imanam. Por lá vagueia a alma de Isabel Alves Costa, minha mãe, a quem foi feita no local, com outros actores, actrizes, amigos e conhecidos, uma sentida homenagem no mar, um mês após o seu falecimento. Por lá se instala a Lua, matreira, cúmplice de amantes, poetas, loucos, solitários, guardadora de mil e um segredos. Andar por lá é um dos mais belos passeios que a ilha pode proporcionar. É a minha estrada.







Que legenda para esta imagem?

À melhor legenda, ofereço um café 






«Já sei a eternidade: é puro orgasmo.»

Arménio Vieira - poeta


The Moldy Peaches - Anyone Else But You


[Fotografia de Mecuro B Cotto (link)]






Cara:  segundo se pode ler no diário I, «sob o lema "Esquecer é contagioso, protege o próximo como a ti mesmo", três mil preservativos foram hoje distribuídos pela igreja católica na cidade de Lucerna, no centro da Suíça. Os preservativos estão a ser distribuídos perto da estação de caminhos de ferro e a decisão da diocese tem motivado críticas dos colectivos católicos, ao mesmo tempo que tem sido elogiada pela sociedade civil.»

Coroa: segundo se pode ler no diário Metro, a questão do aborto tem dominado os últimos dias de campanha das eleições presidenciais brasileiras, com alguns jogos de cintura dignos de registo. Tudo vale para sacar os votos dos católicos mais radicais, que não são poucos. Por exemplo, «este ano um bispo do Recife excomungou um grupo de médicos que fizeram um aborto a uma menina de nove anos, grávida de gémeos depois de violada pelo padrasto.»


Este curto post é dedicado ao Padre Alfredo - Ti Féfa, que faleceu Domingo passado na Espanha, onde se encontrava doente de um cancro no estômago. Eu não sei qual era a posição pessoal dele sobre os temas mais polémicos que tem afastado muitos fieis da Igreja Católica, mas até posso adivinhar. Era um amigo, uma mente aberta e uma pessoa com um bom humor contagiante. É dos que vai deixar falta.

Imagem sacada daqui






«A maioria dos jornalistas da região oeste africana que elegeu a actividade artística e a Cultura em geral como campos de trabalho exerce a sua missão por carolice, paixão, sensibilidade. Por conta desta falta de especialização, esses jornalistas auto-censuram-se e se inibem de tecer críticas ou comentários pouco abonatórios em relação a um certo sujeito ou evento. Ou arriscam e se tornam alvos fáceis de críticas mesmo quando têm razão

Notícia completa, aqui


Comentário Curto: afinal, o debate desenvolvido neste post, não foi assim tão disparatado quanto isso.






«Esse silêncio todo me atordoa. 
E atordoado eu permaneço atento.»

Chico Buarque




Eu sei, tenho quase essa obrigação de ser uma voz da sociedade civil, essa entidade que quer dizer tudo e na maior parte dos casos muito pouco significa na prática, tenho que questionar, debater, falar, ou seja, assumir minha natureza de blogueiro atrevido, um pseudo qualquer coisa não assumido, mesmo que sujeito a todos os impropérios de uma nação muito pouco habituada a olhar para si própria com uma visão crítica e desligada de questiúnculas partidárias. 

Eu entendo muito bem o desabafo do Paulino Dias, num desassombrado texto publicado no seu blogue, assim como entendo o que me diz Mário Lúcio Sousa quando afirmou ser incapaz de dizer mal do próprio país, pelo menos nas entrevistas, olhando para o que foi feito e construído, contra todas as adversidades. Entendo o César Schofield, citado hoje duplamente por razões de identificação e amizade, quando ele anuncia essa necessidade de ficar quieto a observar, não ser apenas o taliban que todos esperam dele. Acontece um derrame de óleo provocado pelos chineses na Lajinha? Vamos lá esperar pelo que dizem os blogueiros, se eles falam e esperneiam, nós não precisamos de mugir nem tugir. 

Entendo o Redy Wilson Lima, que com a sua escrita frontal, tem essa incómoda mania de mandar tudo e todos àquela parte, faz ele muito bem, porque quando o faz, está a fazer o que centenas, milhares de outras pessoas pensam mas são incapazes de dizer, por cobardia, inércia, comodismo ou sentido de oportunidade. Entendo o Tchalé, que se voltou para a escrita, por vezes deve-se sentir a pregar no deserto, e tem alturas em que a gente se cansa. Somos os loucos da aldeia. Aqueles tipos tolerados porque dão um colorido ao local, justificam a doce e inócua liberdade de expressão, contribuem para a subida do país nos rankings da liberdade de imprensa. Bestial.

Este olhar de fora para dentro tem muito que se lhe diga, acreditem. Mas também todas estas mudanças - de clima, de rotinas, de amores, de ódios, de escritores favoritos, de hábitos musicais, de métodos de estudo, de avaliação de perspectivas, de análises interiores,  de pele, de cuecas, de alimentos, de fusos horários, de mestres, de patrões, de temáticas, de palcos, de compromissos financeiros impossíveis de satisfazer, de prioridades - todas essas mudanças, dizia, abalam qualquer um. 

O Café Margoso sempre esteve mesmo não estando, como me costuma dizer uma pessoa que me é especial. E vai continuar. Uns dias mais voltado para a poesia, para as coisas da vida, num outro dia, com crítica, mais ou menos directa, até porque vem aí mais uma longuíssima campanha eleitoral e assuntos não vão, certamente, faltar. Por agora, deixem-me espreguiçar nesta nova casa, mais luminosa, mais atrevida, não sei se mais bonita que aquela que tinha antes, mas um espaço que não deixa de ser o vosso lugar, o nosso lugar de encontro. De encontros. Um espaço, sobretudo, de e com vida. 





«Sempre que se começa a ter amor a alguém, no ramerrão, o amor pega e cresce é porque, de certo jeito, a gente quer que isso seja, e vai, na idéia, querendo e ajudando, mas quando é destino dado, maior que o miúdo, a gente ama inteiriço fatal, carecendo de querer, e é um só facear com as surpresas. Amor desse, cresce primeiro; brota é depois.»

Guimarães Rosa






Um cliente perguntava, cheio de razão, «funeral de margoso é que dia?». Pois é, acho que não vai haver funeral. Apenas uma radical mudança de visual. Ainda hoje explicaremos o que nos vai na alma. Como escreveu o César no Bianda, estou numa de observar, quieto no meu canto, o mundo a funcionar. Tentando entender. Me entender. Vos entender.

Vai passar.


A Gerência






Sim, a situação dos bolseiros cabo-verdianos em Portugal é preocupante. E o próximo ano não augura nada de bom: custo mais que certo aumento do custo de vida, subida do desemprego, estagnação da económica. A reportagem publicada no jornal Público sobre o assunto traça um panorama preocupante da situação actual.

Há um grupo a mobilizar-se para engendrar formas de luta - de Cabo Verde e de outros países lusófonos a viver em condições idênticas. Mas Nuno não deposita grande fé na ideia. Julga que os estudantes estão demasiado ocupados com a sobrevivência. "É como se te deitassem ao mar. Tens de nadar. Não vais discutir por que te atiraram à água." Uma reportagem publicada no Dia Internacional da Erradicação da Pobreza. Não está mal.

Vejam a reportagem completa, aqui.






Já tinha mostrado algo do género aqui no Café Margoso, mas este trabalho do artista americano Karen Eland é igualmente muito interessante. É mais um que usa o café como tinta para as suas pinturas, todas elas cópias de obras de arte muito conhecidas. Achei piada também aos títulos que ele dá às suas obras.

Vejam alguns exemplos:

Espresso to Gogh





Mona Latte




Girl With Pearl Earring





Americano Gothic





O site do artista, aqui






Uma vez o poeta Pablo Neruda confidenciou à escritora Clarice Lispector que a maior alegria que teve pelo facto de escrever foi "ler a minha poesia e ser ouvido em lugares desolados, como no deserto ou pelos mineiros do Norte do Chile." Esta é uma boa introdução para louvar esta história maravilhosa que, ao que parece, vai acabar em bem, do salvamento dos 33 mineiros presos há meses a centenas de metros de profundidade numa zona remota do Chile.

Claro que se pode constatar do aproveitamento mediático, e até político, das verdadeiras boas ou más intenções do Presidente da República do Chile, da onda de patriotismo que tomou conta do país, ainda por cima, surpresa das surpresas, não por causa de algum feito cometido pela selecção nacional de futebol, mas por causa deste episódio arrepiante pleno de coragem, persistência, espírito colectivo, solidariedade, esperança e amor, tudo o que mais falta nos dias de hoje à tão maltratada humanidade.

Muitas nações se juntaram, engenheiros, técnicos, figuras mais ou menos públicas, a própria Nasa deu uma colaboração decisiva para o bom desfecho da operação de salvamento que, neste momento, caminha para a sua fase final. Uma operação onde, o que mais se discutia entre os mineiros era qual seria o último a abandonar o barco - leia-se, o abismo - porque todos queriam dar o corpo ao manifesto e sacrificar-se pelos seus colegas.

Possivelmente esta extraordinária sequência de acontecimentos vai dar origem a filmes, livros, séries de televisão, mas por alguma razão isso acontece. Quem gosta tanto de defender que os mercados e a economia dominam hoje tudo e todos, devia perceber que o que nos resta de humanidade pode ser, enfim, também um bom negócio porque a lei da oferta e da procura nos diz que quanto mais escasso é um bem, maior é a sua procura. Andamos todos a precisar destas lições de humanismo. Ontem, ter ficado em frente às televisões por tanto tempo, não foi tempo perdido. Os 33 mineiros, um número que representa entre outras coisas a idade do cristo crucificado, são hoje, como escreveu Ferreira Fernandes no Diário de Notícias, uma poderosa metáfora de vontade e dedicação.

E também de esperança.


(Fonte: Jumento)





Longa vida ao Festival Internacional de Cinema de Cabo Verde, na ilha do Sal, que vai decorrer entre 14 e 17 de Outubro. E porque não um protocolo com o Festival Internacional de Teatro do Mindelo - Mindelact, para passar os filmes premiados na ilha do Porto Grande em Setembro do próximo ano? Fica lançado o repto. Porque todos somos poucos.

"Sob a liderança da V!VA !magens, o objectivo do Festival é abranger Arte, Cinema, e Indústria, ao criar um bazar global de excepcionais filmes e realizadores de filmes. Em parceria com o Município da Ilha do Sal, o Festival terá lugar de 14 a 17 de Outubro do ano corrente, na Vila de Santa Maria e Espargos."

Aplausos!

Vejam o sítio oficial, aqui.






"A força mais destrutiva do universo é a fofoca."

Luis Fernando Veríssimo - escritor






Lendo.... Absolutamente arrebatador.





Hoje é o dia 10 - 10 - 10






“Não confio muito nas estatísticas, porque um homem com a cabeça dentro de um forno aceso e os pés num congelador, estatisticamente possui uma temperatura média.”

Charles Bukowski - Poeta e romancista






Quatro Dias

O 1º dia foi de apresentações e conhecer o local de trabalho.

O 4º dia foi utilizado nas despedidas.

Os 2º e 3º dias no exercício de funções: sendo de evidenciar a forma extremamente leal, competente e dedicada como desempenhou a função, de excelentes qualidades pessoais e profissionais.


Assim, sim, até dá gosto!


Isto explica muita coisa.... vejam a imagem:









"Ela (a utopia) está no horizonte. Avanço dois passos e ela afasta-se dois passos. Avanço dez passos e o horizonte distancia-se de mim dez passos; Posso ir tão longe quanto quiser: Nunca lá chegarei.... Para que serve então a utopia? Para isso mesmo: para avançarmos."

Eduardo Galeano - jornalista e escritor uruguaio





A Crise


1. Não se fala noutra coisa: crise. Em todo o lado, nos cafés, nos aeroportos, no trabalho, nas grandes conferências internacionais, nas frentes diplomáticas mundiais, nas casas de gente pobre, remediada, classe média, nas escolas, nos hospitais, nas conversas formais e informais, até nos amores e desamores esta é a palavra que nunca está fora das análises presentes nas mais diversas situações, seja a um nível macro ou micro. Nos pequenos, grandes e médios países, no mundo mais ou menos desenvolvido, a Norte e a Sul, por todo o lado, a palavra crise bate-nos à porta, dá-nos umas chapadas na cara, se estamos a dormir acordamos inevitavelmente para uma realidade onde não é permitida a entrada ao optimismo ou à poesia.

2. Está mais do que provado que hoje tudo passa pela economia. Pelo mundo financeiro. Pelos mercados. Hoje, o que mais se ouve, é que é fundamental ouvir o mercado. Falar com o mercado. Não mentir ao mercado porque ele, o mercado, acaba sempre por descobrir a verdade, toda a verdade, nada mais além da verdade. E decidir, por nós, reles mortais, como vai ser gerida a nossa vida nos tempos que se avizinham. O mercado, omnipresente e omnipotente, é o Deus do mundo moderno: está em todo lado, invade todos os lares, tem os seus templos próprios (as bolsas), mas nunca ninguém viu este ser assim, com olhos de ver, que a terra há-de comer e ainda não apareceu nenhum brilhante especialista que conseguisse explicar por a mais b quem é essa tal figura que parece comandar tudo e todos nestes tempos modernos e que, tal como um vendaval, nos arrebenta a porta de casa e os sonhos mais ou menos ousados. Como no caso das outras religiões, o que não faltam são teorias. A maior parte das quais, para entreter.

3. Como entidade misteriosa e superior a tudo e a todos, que decide, que manda e desmanda, que sentencia quem compra o quê e a que preço, que decreta quanto custa cada alma humana vendida em grandes superfícies comerciais, que quando espirra provoca uma gripe mortal no mundo inteiro, o mercado, esse Deus dos tempos modernos, é também o principal responsável pela crise actual. Como nos tem mostrado a história das religiões, é sempre importante a estas entidades superiores darem, de quando em quando, um ar da sua (des)graça, quanto mais não seja para mostrar ao povo quem é que manda, que ninguém pense que é dono do seu destino porque isso foi chão que já deu uvas, agora temos é que ser carneiros nesta longa fila do consumismo e do cada um por si. Morte às utopias. Fogueira aos idealistas. A Inquisição medieval foi substituída por uma espécie de Inquisição económica, controlada por essa entidade financeira suprema.

4. Esta crise económica provoca uma reacção em cadeia e gera muitas outras crises. Crises de identidade, de desemprego, de produtividade, de criatividade. Ninguém tem tempo para nada muito menos para o outro, porque está demasiado ocupado a resolver os problemas, os seus problemas, que a crise nos coloca em cima da mesa. Não nos coloca comida, mas sim facturas. Não nos coloca água e luz, mas sim impostos por pagar. Não nos coloca políticos realmente interessados em resolver os problemas das pessoas, mas sim uma quadrilha de indivíduos desesperados à procura de um tacho que os proteja, a eles em primeiro lugar, dos tempos difíceis que vivemos. A bomba atómica é largada em cima das nossas cabeças, mas os abrigos que nos protegem das mortíferas radiações só servem alguns. Os mais rápidos, os mais espertos, os mais corruptos. Os mais devotos.

5. Desta forma, as pessoas já não tem tempo. Para nada. Estão à procura de emprego, de soluções imediatas que permita um prato de comida para os filhos, roupa e propinas escolares, pagar luz e água, renda de casa, taxas nas urgências médicas. Não interessa, qualquer coisa serve. Um, dois, três empregos. Correspondem a um, dois, três salários. E é tudo tão falacioso já que hoje estes três salários servem para pagar as mesmas coisas que tínhamos que pagar quando tínhamos apenas um emprego e a vida sobrava para as coisas que realmente importam. Ou importavam, porque hoje, urge sobreviver. O Estado, como maior aliado e protector do mercado, exige, pede e pouco dá em troca. Cobra taxas ecológicas em estradas não usadas. Queima lixo. Compra resíduos tóxicos. Aprova projectos imobiliários megalómanos que nos transformam em meros bonecos numa maqueta gigante, um anúncio de chocolate suíço. Uma vida de plástico.

6. Há pois uma crise de criatividade, uma crise de coragem. Que são, precisamente, as armas que melhor podiam ajudar a combater essa outra crise que apenas interessa a alguns poucos e acaba com a vida a quase todos. A criatividade devia ser disciplina obrigatória nos pequenos oásis de resistência que ainda nos dão alguma esperança. E esta devia ter ligação directa à coragem. Coragem para inovar, para combater, para recusar, para protestar, para acreditar que o mundo pode ser algo diferente deste lugar horrível em que se está a transformar. Não nos venham com discursos, campanhas, promessas, megalomanias. Está tudo anestesiado, a olhar para o vazio das suas contas bancárias. Há que abanar esta realidade. O Leo Bassi é que tem razão e a sua apresentação no Mindelo tem um significado que vai muito além da questão da qualidade artística do seu trabalho. Muitos não entenderam e levantaram os ombros com um seco “un ka gostá”. Foi um grito desafinado? Um samba de uma nota só? Algo que não ficou no ouvido como um anúncio de televisão ou o refrão de um hit de zouke love? Pois, mas continua a ser importante que haja quem atire estas pedradas no charco. Por alguma razão uma criatura como o João Vário faz hoje tanta falta a Cabo Verde.

7. Em tempos como estes, precisamos, urgentemente, dos nossos loucos. De gente que grite, que crie, que os artistas e poetas saiam das suas tocas e cumpram a sua missão. Essa sim, divina e vital. Precisamos de homens e mulheres que numa noite de lua cheia saiam para a rua completamente nus e corram a gritar que estão vivos, sem medo de uma noite na prisão, que até pode ter o seu quê de pedagógico. Precisamos de mais banhos sujos na praia dos cachorros, de mais arte, de mais inovação, de mais invasão. Precisamos de sair das casas e dar beijos e abraços nas ruas. Não ter nem vergonha nem medo de amar. Em tempos como estes, precisamos de cacos de vidro, espelhos que nos façam olhar para dentro de nós e de algum qualquer despertar que nos lembre que a diferença, a grande esperança, está sim, dentro de cada um de nós. E nesse centro do centro de cada um, o mercado não entra.


Lisboa, 04 de Outubro de 2010







"ME POUPE!"

[Adoro esta expressão, vá se lá saber porquê. Nos dias de hoje, então, dá muito jeito. É como mandar alguém àquela parte com uma certa elegância. Não é? É!]

Fotografia de simon lyutakov







Em tempos de crise, a Cultura é parte do problema ou da solução?

À melhor resposta, ofereço um café











Não sei se é ironia ou grande e apurado sentido de oportunidade: anunciar uma revolução em parques eólicos em S. Vicente, com a ilha parada por cortes de electricidade.

Eu não faria melhor.







"No século passado, intelectuais como Jean-Paul Sartre e cientistas como Einstein conseguiram estreitar o desnivelamento da linguagem existente entre o público e as chamadas elites, fazendo palestras em bares para pessoas comuns, por exemplo. Hoje não temos isso. As pessoas refugiam-se na especialização. Nas universidades utiliza-se uma linguagem considerada difícil. Não se traz o debate para a rua. Mas as ideias têm que ser debatidas abertamente."

Angus Kennedy - Institute of Ideas







        O cafezinho está mais caro?
        Sabe melhor o cafezinho?
        De diâmetro aumentou a xícara?
        A colherzinha não é mais de prata
        (se algum dia foi), e um sorriso
        de boas-vindas nos acolhe
        sob os bigodes do gerente?
        É mais café o cafezinho,
        mais quente, inspira mais piadas
        a seus costumeiros clientes?
        Tem um pó mais fino, o adoçante
        não mata mais que o ciclamato,
        e há no açúcar um princípio
        de tornar o dia contente
        quando o céu da boca relembra
        o cafezinho em pé tomado?
        O cafezinho contém mesmo
        café do bom, que a velha casa
        de nosso avô servia a todos,
        e repetiam todos, uai?
        Não. Simplesmente, meus amigos,
        o cafezinho está mais caro.
          O Balcão de Drummond de Andrade


    Porque hoje é 5 de Outubro? Não, nada a ver! É apenas a minha forma particular de festejar um centenário.



    Pintura de Annar








    Numa altura em que eleições presidenciais decorrem no Brasil, muito se tem escrito e analisado sobre a chamada "herança Lula". Aqui mesmo no Café Margoso fizemos referência a este espantoso antes & depois, que explica como é que um Presidente, depois de dois mandatos no poder, tem uma popularidade próxima dos 80% da população.

    Uma das razões deste sucesso passa, não tenho qualquer dúvidas disso, pela aposta na cultura, dentro do país e também fora, na sua internacionalização como veículo de promoção de um país e de uma economia. Mas não com palavras e discursos bonitos. Com actos mesmo. E os resultados estão à vista.

    Como se pode ler num texto publicado no jornal Público, a música popular brasileira é ouvida em todo o mundo, o cinema brasileiro está nos festivais e nas salas europeias e sul-americanas, há festivais de teatro, de dança, de literatura, e a moda e o design brasileiros são hoje exemplares para a moda e o design norte-americano e europeu. Lula da Silva anunciou neste ano que 1 por cento do Orçamento Geral do Estado brasileiro seria para a cultura, o que corresponde ao maior orçamento da história, incomparável com qualquer outro caso, seja na América latina seja na Europa. A promessa é subir para 1,5 já em 2011, o que seria ainda mais espantoso.

    Muito do sucesso do Brasil passa pela sua aposta na cultura. É inquestionável. E uma lição a reter. Os resultados económicos, o turismo incrementado, as grandes vitórias da diplomacia internacional, com as organizações do Mundial de Futebol e dos Jogos Olímpicos, tudo isso passou por um intenso programa de incentivo à internacionalização da cultura brasileira e a uma aposta séria nas mais diversas vertentes da criação e produção cultural e artística assim como programas intensivos de incentivo do acesso da população a bens culturais. 

    Não seria nada mau Cabo Verde aprender alguma coisa com isto. Porque quando vemos o trabalho das nossas embaixadas nesta área e as políticas dos governos e das Câmaras Municipais (quando e lá onde elas existem), e depois ouvimos como o país tem uma cultura que é o seu motor, farol, diamante, rubi ou qualquer outra metáfora ou pedra preciosa usada em discurso ou ocasião solene, é que nos apercebemos da imensa distância que vai entre as boas intenções e a realidade aplicada no terreno. Diplomacia cultural? Alguém sabe o que isso é, o que significa e o que pode trazer para o arquipélago? O exemplo brasileiro é a prova que a distância entre a retórica e a prática não tem que ser sempre assim tão grande.

    Leiam o artigo completo, aqui.








    "É chegada a minha hora,

    balbuciou a velha, que se encontrava havia mais de três meses no seu leito, diga-se mais morta do que viva, com forças apenas para aquelas palavras, como se as tivesse poupado para, desse modo, dar por anunciado o fim da mulher mais beata que o mundo alguma vez conhecera"


    O Novíssimo Testamento de Mário Lúcio Sousa

    Lançamento em Lisboa no dia 13 de Outubro, na FNAC de Columbo. Já tenho um exemplar, numa edição espectacular. Este livro vai dar que falar. Vai mesmo.






    Digestão, festival, teatro, arte, convivência, lágrimas, risos, atrasos, bagagens esquecidas, bocas, beijos, abraços, gritos, palmas, gestos, paisagens, emoções, trabalho, suor, partilha, estar com os outros, falar, gritar, correr, amar, odiar, admirar, imperiais, chuva e lama, sol e nuvens, fora e dentro, periferias, cadeias, cadeiras, cores berrantes e azul escuro, amuos, abandonos, crianças, amores, danças, cigarros acesos, sótão,  atrevimento, dunas, festa, banhos de areia e de água, enchentes, silêncios espantados, injúrias, decotes, pavões, vaidades, orgulhos, mãos em mãos, bofetadas na cara e de luva branca, extensões, dores, quedas, baladas e festa, febres, estranhos vitus, entrevistas, entre vistas, vulcões e tendas vermelhas, o mar que é de todos, a mesma água nas mãos de cada um. Até o próximo ano.

    Bom fim de semana








    Linda fotografia de João Barbosa. Sílvia Lima, em Os Amantes (2010)








    As mulheres fazem a diferença numa relação

    Numa ocasião, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saiu para jantar com sua esposa, Michelle, e foram a um restaurante não muito luxuoso, porque queriam fazer algo diferente e sair da rotina. Estando sentados à sua mesa no restaurante, o dono pediu aos guarda-costas para aproximar-se e cumprimentar a primeira dama, e assim o fez.

    Quando o dono do restaurante se afastou, Obama perguntou a Michelle: Qual é o interesse deste homem em te cumprimentar?

    Michele respondeu: Acontece, que na minha adolescência, este homem foi muito apaixonado por mim durante muito tempo.

    Obama disse então: Ah, quer dizer que se você tivesse se casado com ele, hoje você seria dona deste restaurante?

    Michelle respondeu: Não, meu querido, se eu tivesse me casado com ele, hoje ele seria o Presidente dos Estados Unidos

    Recebido por mail




    Vem aí o Outono, a mais bela das estações. E com ele, o Café Margoso tentará retomar o seu ritmo diário, depois de ter passado por várias tempestades. Sobreviveu, a vontade de aqui estar persiste. Esperamos que seja recíproco.


    A carregar...