Uma forma prática de ir acompanhando as eleições norte-americanas pela Internet é ver tudo o que vai saindo em língua portuguesa neste agregador criado pelo português Paulo Querido.

Excelente e muito prático.

Via: Arrastão





Quando acordei estava ligado a uma série de tubos e um cheiro horrendo cobria toda a atmosfera, aquele odor que sempre toda a minha vida havia detestado e evitado a todo o custo. O cheiro de hospital. Fiquei apavorado, era só o que me faltava, vir parar assim aqui, sem mais nem menos, sou um tipo saudável, nunca tive problemas de saúde, pode lá ser uma coisa dessas. O seu coração está com problemas, disse-me uma enfermeira com o rosto embaciado, quem sabe uma daquelas deusas fenomenais da Anatomia de Grey. Problemas? Que problemas? O caso é grave, falta-lhe um pedaço, há um canto do seu coração que já não funciona como devia e tem que ser trocado, sei lá, sou apenas uma enfermeira, o doutor depois explica-lhe melhor. Mas não pode ser, não pode ser. Então ando eu a treinar no ginásio que nem um louco, estou aqui com uns peitorais de fazer inveja a muito desportista, corro, nado, escalo e faço amor pelo menos três vezes por semana, não fumo, não bebo para além da conta, isto tudo só pode ser um lamentável equívoco. Não é não. Vamos ter que operar e não sei, convém mesmo que se prepare para o pior, que é como quem diz, viva e aproveite o melhor que pode os momentos que lhe restam, nunca se sabe o que pode acontecer ao virar da esquina. Foda-se! Isto não pode ser bom. Acordei.





Para além do medo da morte, do medo que a crise mundial descubra onde fica Cabo Verde ou do medo que carros de publicidade ambulante nos deixem definitivamente surdos, o que temos mais que temer nos dias que correm?


À melhor resposta, ofereço um café






Recebi este honroso convite:

«O Ministério da Cultura, através do Instituto da Investigação e do Património Culturais, tem a honra de covidar V. Excia. a assistir ao Acto de inauguração do Museu de Arte Tradicional, sito no edifício do ex-CNA, na Praça Nova.

O Acto terá lugar no dia 31 do corrente, sexta-feira, às 18h30, e será presidido por SE o Ministro da Cultura, Doutor Manuel Monteiro Veiga.»



Como andei anos a perguntar pela conclusão da obra, é de elementar justiça que faça aqui eco deste convite que me foi dirigido, para assistir a tão nobre acto de inauguração. Depois de ser anúnciado por diversas vezes, e em diferentes e de variadas formas, eis que, finalmente, um dos mais nobre edifícios da cidade volta a ter alguma utilidade real, e é aberto à cidade, aos seus cidadãos e aos ilustres visitantes. Resta saber o que é isso de «Museu de Arte Tradicional» e devo confessar que estou curioso. Cá estarei para vos dar notícias, um destes dias.

Desejando que não venha a ter a mesma «sorte» que um outro certo palácio dito cultural, também resultante de um belo trabalho de recuperação de um edifício antigo e nobre da cidade - como é o caso presente - este é o momento de dizer, em nome da coerência, aplausos, sim senhor!


Imagem: tapeçaria de Joana Pinto





Um daqueles insuportáveis carros de publicidade sonora esteve ontem a passar vezes sem conta pelas ruas da morada, na cidade do Mindelo, com o inevitável riso do Michael Jackson do final do «Thriller», anunciando em altos berros, como se todos os habitantes da cidade fossem surdos, uma grande festa para a noite do dia 31 de Outubro (ou não estivessemos no Mindelo) e rematando, no final, «o MindelHotel deseja a todos um feliz Halloween»! Já me tinham desejado «um feliz Natal» ou um «feliz aniversário», mas um «feliz Halloween», confesso que foi a primeira vez.

Respirei fundo, olhei para dentro de mim mesmo, e depois atentamente no espelho e conclui, até aliviado, que nada de muito substancial havia mudado na minha vida, exterior e interior, depois dessa manifestação inédita de desejo de felicidade, dirigida a mim, por uma unidade hoteleira da cidade.

Enfim, mais uma invenção americana, para justificar mais consumo. Mesmo que seja em tempo de crise, que essa não parece que tenha chegado às ilhas mágicas de Cabo Verde.

Por mim, declaro que não tenho nada a ver com isso, mas aqui fica o registo. Pessoalmente, continuo a pensar que o melhor «dark side» continua mesmo a ser o dos Pink Floyd.

Noite boa para ficar em casa a curtir as maluquices das minhas filhas.


Para quem gosta, excelente publicidade gráfica alusiva à data: aqui
Via: Jumento




«A história de um menino de rua. Podia ser igual como tantas outras. Mas não é. As próximas linhas têm a ambiguidade de relatar a “perversidade” de menores que, com cerca de oito anos, se iniciam nas teias da droga. Não são simples meninos de rua… São astutos, desconfiados, autênticos artistas na arte de roubar e ao mesmo tempo, frios, manipuladores. Criam sistemas de defesa, mas todos, lá no fundo querem o mesmo. O desejo de um dia sair da rua.»

Excelente, muito boa mesmo a reportagem de Margarida Conde, no Expresso das Ilhas, sobre os chamados «meninos de rua», da cidade da Praia.


Podem ler a versão integral aqui






Esta semana apenas para anunciar duas novidades:

- Baluka Brazão já tem «no ar» o seu blogue de fotografia (em cima, um belo exemplar). Pela amostra, vai ser um local onde as imagens valerão mais que as palavras. A visitar sempre. Força Baluka! Aqui

- Kizó Oliveira, também já colocou no «espaço cibernético» um blogue original, totalmente dedicado à música alternativa. Para se ouvir o que, certamente, não se costuma ouvir por estas bandas. Outro local a visitar regularmente. Força Kizó! Aqui




Olhem, vem aí mais um, para quem quiser.




A qualidade é garantida. E os resultados estão à vista. De realçar que, pela primeira vez, duas instituições fundamentais para a promoção cultural no Mindelo, promovem em parceria um curso deste género. A primeira consequência, certamente, será a melhoria substancial das condições para ministrar uma formação que tem sido a base e o cimento do edifício teatral de S. Vicente. Aplausos.



Deusas que não desaparecem...





...por isso se chamam Deusas.




Os três desejos de Luís Sepúlveda


Se encontrasse o génio da lâmpada e este lhe concedesse três desejos, o que pediria?

«O primeiro desejo era que George Bush voltasse a ser o alcoólico que era antes. Porque como presidente ele é uma besta.

O segundo desejo seria que aparecesse aí uma nuvem de inteligência, porque falta inteligência, sobretudo entre a classe política.

E o último seria para abandonarmos uma série de mitos perigosíssimos que existem, como o mito da sorte. Há muitos jovens que acreditam que não vale a pena esforçarem-se por ser um bom mecânico ou dentista ou outra coisa. Para quê? Se tiver sorte poderá ser um bom milionário. Há escritores que não estão interessados na literatura, escrevem apenas para entrar nesse jet-set. Vê-se nas revistas do coração: o famoso escritor fulano de tal abre a porta de sua casa. Porquê? Eu não nasci para isto.»

Entrevista a Luís Sepúlveda, Diário de Notícias, 25.10.09





Bye Bye Mr. Bush

Faltam (ainda) 5 dias




«Do terraço deste café olho tremulamente para a vida. Pouco vejo dela – a espalhada – nesta sua concentração neste largo nítido e meu. Um marasmo, como um começo de bebedeira, elucida-me a alma de coisas. Decorre fora de mim, nos passos dos que passam e na fúria regulada de movimentos, a vida evidente e unânime. Nesta hora dos sentidos estagnarem-me e tudo me parecer outra coisa – as minha sensações um erro confuso e lúcido, abro asas mas não me movo, como um condor suposto.

Homem de ideais que sou, quem sabe se a minha maior aspiração não é realmente não passar de ocupar este lugar a esta mesa deste café?»

Fernando Pessoa, in «livro do desassossego»

Imagem: Ralph Steiner «Eight O'Clock Coffee»
Via:
Café dos Loucos






«O amor encontramos mesmo quando nós tentamos nos esconder dele. Eu fujo dele desde os 5 anos mas as raparigas conseguem sempre encontrar-me
Nuno, 8 anos, sobre o amor


Frases que nos fazem ver que, realmente, temos muito que aprender com os mais novos




Certos blogueiros puseram as mãos na cabeça porque parece que o nóvel Presidente da Câmara Municipal da Praia comprou - ou mandou comprar - uma daquelas bombas automóveis de fazer água na boca a qualquer mortal que por ela passe as vistas. Não vejo onde possa estar o problema, ainda por cima sabendo que passa a ser património da Câmara Municipal, ou seja, de todos nós, e que o comprou poupando uma pipa de massa na alfandega (parece que há isenção para as matrículas amarelas). Vendo bem as coisas, esta foi uma compra que podia ter custado muito mais ao erário publico e não custou, mesmo que tenha sido à custa de um outro erário público! E podemos ficar satsifeitos: no fundo, cada um dos municipes da Praia é dono de um bocadinho daquela bomba ambulante. Somos co-proprietários de uma big viatura!

Cambada de invejosos, esses críticos e blogueiros fatalistas. Ainda por cima, como ficamos todos a saber no grande debate, vulgo frente-a-frente Viega/Neves, os nossos políticos ganham mal e trabalham muito, e por isso, digo eu, tem que ter alguma regalia. Pelo menos fazem-se transportar como deve de ser e só motivam o povinho que vê aquela coisa a passar e pensa «quando for grande quero ser Presidente da Câmara».

Chama-se a isso psicologia motivacional.




O meu escândalo nacional é maior que o teu

«A denúncia trazida a público, no último fim-de-semana, por Jorge Santos, líder do Movimento para a Democracia, MpD, está longe de chegar ao fim. Santos acusou o Governo de José Maria Neves de ter celebrado um acordo para a instalação de duas incineradoras na ilha de Santiago, com a possibilidade de incinerar “lixos tóxicos”, o que classificou de “um grande escândalo nacional”. JMN deu o troco e acusou Jorge Santos de não ser uma pessoa credível e ter provocado “um escândalo nacional”.»

Liberal


Comentário Cafeano: eu acho que ninguém está a ver o lado positivo da questão. São todos uns derrotistas, uns bota-abaixistas nunca vistos! Eu, que pensava que nós não tinhamos condições, e que ainda estavamos muito longe disso, para tratar o nosso lixo, que aumenta, aumenta parecendo ninguém preocupar-se muito com isso, afinal de contas, vistas bem as coisas, não só podemos com o nosso lixo, como também com o lixo dos outros.

Independentemente das verdades, meias-verdades ou mentiras que estão implicadas em toda esta polémica, não seria mau aproveitar este momento para discutir e decidir de uma vez por todas uma questão que me parece estrutural:

O que fazer com o nosso lixo?





Sei, por fontes seguras, que algo do género se está a preparar em Cabo Verde, para o final de Abril de 2009, mas seja como for acho espantoso que não se fale no nosso país deste Colóquio Internacional - «Tarrafal, uma prisão, dois continentes» - que vai decorrer amanhã, em plena Assembleia da República, em Portugal. A abertura será presidida pela segunda figura do Estado português, Jaime Gaima, Presidente do Parlamento luso.

Algumas perguntas ficam no ar:

  • Vai lá estar algum representante do Estado de Cabo Verde?
  • E não deveria estar?
  • O que é feito do projecto de Museu, tantas vezes anunciado?
  • A nossa comunicação social não acha este tema importante?
  • Porque é que continuamos a assobiar para o lado?

Até parece que não temos nada a ver com isto. Enfim!

Para quem se interessar, parece que amanhã é Dia da Memória dos Resistentes e das Vítimas da Ditadura. Seria bom falarmos um pouco mais sobre esta «herança», não é?

Para quem quiser saber mais sobre o colóquio, ver aqui




Eis um acontecimento que promete:

O maestro António Vitorino d'Almeida vai apresentar dois recitais com o tema «Música e outras histórias», uma espécie de concerto / conferência onde o maestro vai tocar no piano peças de vários compositores de referência da música clássica e contemporânea à sua escolha, ao mesmo tempo que vai conversando com o público, naquela que poderá ser uma agradável e inédita aula de música.

Durante a sua estada em Cabo Verde, o maestro Vitorino d´Almeida tem encontro marcado com vários músicos cabo-verdianos. O Instituto Camões, que promove esta iniciativa, deverá propor a sua colaboração no futuro curso de música que vai ser criado no país.


Onde & Quando

No Mindelo, dia 29 de Outubro (quarta-feira), na Escola Salesiana
Na Praia, dia 31 de Outubro (sexta-feira), no auditório do CCP-IC


Importante: a entrada é livre!





É impressão minha ou por aqui quem pensa
pela própria cabeça é logo tachado de pretensioso?


À melhor resposta, ofereço um café





«Quantos mais erros faço, mais esperta fico.»
Inês, 8 anos


Frases que nos fazem ver que, realmente, temos muito que aprender com os mais novos





Não é nada que não se estivesse à espera, mas foi noticiado hoje que as autoridades federais conseguiram desmantelar um plano de neonazis americanos para assassinar o candidato presidencial democrata Barack Obama, segundo foi confirmado por fontes oficiais.

Segundo se pode ler no blogue do Nuno Gouveia, dedicado às eleições americanas, «hoje foi notícia, pela segunda vez nesta campanha eleitoral, que as forças de segurança prenderam pessoas que planeavam o assassinato de Barack Obama. Dois jovens nazis foram presos no Tennessee, por terem proferido ameaças contra o candidato democrata à Casa Branca, noticiou a Lusa. De acordo com a acusação do Departamento de Justiça, os jovens tencionavam matar 102 negros, e por último, assassinar Barack Obama.»

Mas como nos lembra, e bem, o articulista, paralelos com Jack e Bobby Kennedy e de Martin Luther King, embora sejam imediatos, devem ser descartados porque o nivel de segurança a que estão sujeitos políticos como Barack Obama - que desde há um ano tem segurança pessoal ao mesmo nível do próprio Presidente - é incomparavelmente superior ao que era nessa época.

Sempre podemos dizer que também a sofisticação dos criminosos é igualmente muito maior e isso é verdade. Por isso, nunca é demais dizê-lo, e declarar alto e bom som:


«oiê viv na melon!»


P.S. Para quem não sabe crioulo de Cabo Verde, esta expressão, cuja tradução literal é «olho vivo no melão», quer dizer algo como «olhos bem abertos».




É uma notícia que tem já algum tempo, mas que nos passou despercebida. Só espero que Cabo Verde possa ser contemplado com este projecto. Analisando o preço da Internet, bem que se justificaria. E a notícia é que a Google vai integrar um consórcio para levar a Internet via satélite a 3 mil milhões de pessoas em África e outros mercados em ascensão, como a América Latina, até 2010.

O projecto de 750 milhões de dólares (500 Milhões de Euros) foi apelidado de O3B Networks, «Os outros três biliões», e é dirigido a um público-alvo para quem a Internet de alta velocidade está fora das possibilidades financeiras. O projecto pretende diminuir o custo do acesso à rede em até 95%.

«Isto encaixa-se na missão do Google no mundo em desenvolvimento», disse Larry Alder, gestor de produto. «Nalguns lugares em África, o custo da Internet rápida é 20 vezes mais cara que nos EUA», acrescentou.

O consórcio, que será composto, entre outros, pelo Google, a HSBC e o milionário John Malone, do grupo Liberty Media, ficará sedeado na ilha de Jersey, no Canal da Mancha, e vai anunciar hoje a aquisição de 16 satélites de baixa órbita, que têm um sinal mais forte que os satélites comerciais.



Candidato Outonal




O candidato à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, nun evento de campanha na Universidade Estatal de Colorado em Fort Collins.


A acompanhar o candidato, a marvilhosa interpretação de Yo Yo Ma de uma das suites de Bach, para violoncelo. Combina bem com o Outono e com esta imagem, não é?




Fonte: 24 horas






Quando damos uma esmola a alguém na rua, estamos mesmo interessados em ajudar, ou é apenas uma forma de não pensarmos muito nessa coisa chata que é a miséria dos outros, pelo menos durante algum tempo?



À melhor resposta, ofereço um café





Não há como ficar indiferente. Estamos a uma semana do dia 04 de Novembro, data marcada para as próximas eleições norte-americanas, e tudo indica que o senador Barak Obama poderá mesmo vir a ser eleito o próximo Presidente dos Estados Unidos da América.

Não é preciso estar sempre a repetir o óbvio. Estas eleições, ou melhor, o resultado destas eleições, vai influenciar de forma marcante os acontecimentos mundiais nos próximos anos. Como o desastroso reinado de George Bush mudou o mundo e transformou-o num local muito mais periogoso para se viver, também se espera que com Barack Obama muita coisa possa mudar.

E não é só na questão do Iraque, cuja retirada, sem honra nem glória, parece inevitável. Aliás, quem julga que os americanos vão se transformar nos maiores pacifistas do planeta, tirem o cavalinho da chuva. O apoio público amanifestado pelo republicano Colin Powell, o mesmo que foi às Nações Unidas tentar demonstrar que o Iraque tinha armas de destruição massiva, não é inocente e o próprio candidato já disse que quer intensificar as operações militares no Afeganistão (como se «aquilo» não fosse um país independente, mas sim o quintal da sua casa) e que não terá problemas em invadir um país se disso depender a «Segurança Nacional».

Cá para mim, que niguém nos ouve, eu até penso que ele diz estas coisas porque é a única forma de ser eleito. Mostrar «pulso», ser «implacável» perante quem ameaça o bem estar dos americanos, é fundamental. Mas não acredito que, na prática, a política de uma administração com Barack Obama à cabeça, tenha o carácter belicista que certos discursos podem fazer querer.

Acredito antes numa reviravolta completa na política ambiental, no estreitar das relações entre os povos sem procura de imposição pela força e o término de certas aberrações com o campo de concentração na ilha de Cuba, local que envergonha qualquer país defensor dos direitos humanos. Acredito que o mundo poderá melhorar se Barack Obama ganhar.




A diferença entre os dois candidatos começa a ser muito dificil de anular. A data aproxima-se e tudo indica que... E ver um crioulo, neto de africanos, à frente da maior nação do Mundo, não é algo fenomenal?





Eis uma excelente iniciativa conjunta conjunta da Alliance Française de Mindelo, a Terenga Senegal e o Centro Cultural do Mindelo. Durante esta semana, no auditório do Centro Cultural do Mindelo, decorrerá a 2ª edição da Semana do Cinema Africano.

Do programa constam cinco longa-metragens, todos filmes laureados, com entrada gratuita sempre às 20h00, com excepção do dia 27, hoje, às 19h30 e do dia 31 às 18h30.


Aplausos!




Quando Deus criou Adão e Eva, disse aos dois:

- Tenho dois presentes para distribuir entre vocês: o primeiro é a capacidade para se fazer xixi em pé sem qualquer problema e o segundo...
- Eu! Eu! Eu! Eu! - Interrompeu Adão, num jeito completamente infantil - Eu quero, por favor... Senhor, por favor, por favor, sim? Me facilitaria a vida substancialmente.

Eva enconlheu os ombros com firme indiferença, concordou e disse que essas coisas não tinham importância para ela.

Então, Deus presenteou Adão.

Adão gritou de alegria, corria pelo jardim do Edén e fazia xixi em todas as árvores, correu pela praia fazendo desenhos com seu xixi na areia......

Deus e Eva contemplavam o homem louco de felicidade e Eva perguntou:

- E... qual é o outro presente ?
Deus respondeu:
- Um cérebro Eva, um cérebro...

E assim é que foi feita a divisão, desde a origem até o fim dos tempos.






Estende a tua mão contra a minha boca e respira,
e sente como respiro contra ela,
e sem que eu nada diga,
sente a trémula, tocada coluna de ar
a sorvo e sopro,
ó
táctil, ininterrupta,
e a tua mão sinta contra mim
quanto aumenta o mundo

Herberto Helder in «A faca não corta o fogo»


Bom fim-de-semana


Que legenda, para esta imagem?



À melhor legenda, ofereço um café





Cada pessoa dá, em média, 16 peidos por dia.



Fonte: aqui


Comentário Cafeano: primeiro, fiquei chocado com esta estatística, e segundo, imagino os coitados que tiveram que andar por aí a registar as «ocorrências»! Por minha parte, garanto que não sou um dos que contribui para este número estrondoso. O meu gato até poderia ser, mas não conta porque é bicho mas não é gente.




«Nem toda a gente acredita na monogamia, mas toda a gente vive como se acreditasse. Todos temos consciência de mentir ou de querer dizer a verdade quando está em causa a lealdade ou a fidelidade. Todos nos consideramos ou traidores ou traídos. Todos sentimos ciúme ou culpa, sofrendo as respectivas aflições. E os poucos afortunados que aparentemente nunca passaram pela experiência do ciúme sexual reagem a isso ou com perplexidade ou com bazófia. Ninguém foi excluído da experiência de se sentir xcluído. E todos ficamos obcecados por aquilo de que fomos excluídos. Por outras palavras, acreditar na monogamia não é muito diferente de acreditar em Deus

Adam Philips in «Monogamia»



Diariamente, mulheres e meninas são ameaçadas, agredidas, violentadas, mutiladas e assassinadas em todo o mundo. Na maioria das vezes essas agressões partem dos maridos, padrastos, pais e ex-companheiros, e acontecem dentro de casa. Ainda recentemente soubemos que em alguns bairros críticos da cidade de São Filipe, na ilha do Fogo, 43% das mulheres admitem que são agredidas (notícia aqui).

Seria importante fazer um estudo sério em Cabo Verde sobre esta matéria. Acredito que os resultados seriam «supreendentes» (as aspas estão aqui, porque todos sabemos que acontece, mas preferimos assobiar para o lado), e talvez aí pudessemos desenterrar a cabeça da areia e tratar o caso como ele merece ser tratado: séria e impiedosamente.

Esta é, pois, uma causa que abraço, sem pestanejar...






Para saber mais: aqui





Tem koza más sab k'um bracinha pertôd?


Pergunta feita num comentário por uma cliente margosa

À melhor resposta, ofereço um café




E por falar em abraços, eis um site especializado em «Free Hugs», que pelos vistos já é uma ONG multinacional, mas que ainda não chegou a Cabo Verde (que se saiba).

Vejam o site oficial aqui



E para quem quiser saber mais sobre «abraços», tem este precioso guia ilustrado - «The Illustrated Guide to Free Hugs», onde entre outras preciosidades, podemos saber sobre anatomia dum abraço, benefícios e desvantagens dos abraços, tipos de abraços existentes e respectivas ilustrações para cada um ou tradução da palavra abraço em muitas outras línguas.

Pronto, agora podem perguntar: mas este gajo não tem mais nada que fazer?



Eis um abraço que diz (quase) tudo...





«I'm not George Bush»? Está bem. Realmente, um é um pouco mais baixo que o outro... (Porra, que o homem tem azar com as fotografias que lhe andam a tirar!)




Ao ler esta notícia, fiquei em estado de choque. De facto, os EUA são um daqueles países capazes de tudo, do melhor e do pior. Para quem não quiser mudar de página, vou directamente ao assunto:

Uma escola do estado de Arizona, decidiu proibir demonstrações públicas de afecto entre os seus alunos, nomeadamente abraços que durem mais de dois segundos. Os alunos decidiram protestar contra a decisão que já levou inclusivamente à suspensão de uma rapariga de 14 anos. O protesto público foi a melhor forma de protesto encontrada, até porque ainda não podem processar judcialmente a directoria da escola (como sabemos, nos Estados Unidos tudo é resolvido através de processos judiciais, tendo chegado ao ponto de um cidadão norte-americano ter deciddo processar Deus. Perdeu, é claro!)

Perante esta notícia devo declarar publicamente que sou um fanático de abraços e tenho uma tendência quase suicida de abraçar tudo o que mexa à minha volta. Gosto de cumprimentar efusivamente os meus amigos com um abraço (ou dois, ou três); gosto de ficar abraçado à pessoa amada, mesmo que nada mais aconteça durante um longo período de tempo (pois essa também é uma forma de se fazer amor); gosto de dançar nas discotecas crioulas porque se dança abraçado (mesmo que não saibamos nem o nome do nosso par de dança); gosto quando o melhor momento do dia é aquele em que uma das minhas filhas, ou as duas ao mesmo tempo, se chega e diz, como quem não quer a coisa: «papá, d'm um brassa!»

Seria fantástico se, em vez de um aperto de mão, os comprimentos formais fossem substituídos por abraços. Chegar ao trabalho e ver o patrão, abraça-lo com sinceridade desarmante, ao mesmo tempo que se diz: «Bom dia Doutor, como está hoje?» E chegando na política, é fácil constatar que se José Maria Neves e Jorge Santos se abraçassem em cada uma das ocasiões em que, por acaso ou não, se cruzam nos corredores do poder da capital, hoje não estariam, certamente, tão de costas voltadas.

E o mundo seria melhor!

P.S. Hoje, no Café Margoso, declara-se o Dia Internacional do Abraço (The Hug Day). Abraçai-vos uns aos outros. «Como eu vos abracei, vós também abraçai-vos uns aos outros. Nisto todos reconhecerão que sois meus discípulos: no abraço que tiverdes uns para com os outros.»





Basta pensar em sentir
Para sentir em pensar.
Meu coração faz sorrir
Meu coração a chorar.
Depois de parar de andar,
Depois de ficar e ir,
Hei de ser quem vai chegar
Para ser quem quer partir.
Viver é não conseguir.
Fernando Pessoa

Imagem: «Os amantes azuis» de Chagall


Acaba de ser lançado em Portugal, o novo romance de Manuel Jorge Marmelo, jornalista e o autor do (excelente) blogue Teatro Anatómico, com o sugestivo título «As Sereias do Mindelo» e ainda o sub-título «O homem que gostava de cabo-verdianas». Portanto, as sereias são mesmo nossas, Mindelo é mesmo o do Monte Cara, e o homem do livro não sou eu, mas podia ser.

E como escrevi num post anterior, cá vai: Oh Jorge Marmelo, não dá para me enviares um exemplar? (Não custa nada tentar).

A gerência agradece.


Comentário Cafeano: a propósito desta obra cumpre-me dizer o seguinte: depois de várias visitas às mais belas cidades italianas, primeiro, e ao Rio de Janeiro, depois, não me foi dificil desfazer um equívoco que é praticamente global. Em termos gerais, quer dizer, de senso comum, diz-se que são as mulheres italianas e as brasileiras, as mais belas do planeta. Mas isso só pode ser «verdade» para quem não conhece as tais Sereias do Mindelo, de que o Jorge fala. Não há outro lugar no mundo que tenha tanta concentração de mulheres bonitas. O resto é história. (E agora, Jorge, mandas-me um exemplar?)




Electra, Deusa Grega que simboliza o amor passional pelos pais. Uma espécie de complexo de Édipo, no feminino. Segundo reza a lenda, amargurada e impulsiva, Electra, levada mais pela fúria do que pela maldade, induziu seu irmão Orestes a assassinar sua mãe, vingando a morte de seu pai. No seu tempo, não existia a Playboy.

Electra, Deusa Americana, simboliza o triunfo do silicone e da arte de moldar um corpo de mulher, embora como sabemos, a idade não perdoa, por muito que se tente encontrar o elixir da juventude, como se pode ver pela barriguinha saliente que já não consegue ser disfarçada. Idolatrada principalmente por humanos do sexo masculino, foi uma das mais bem sucedidas colehinhas da Playboy.

Electra, Deusa Cabo-verdiana, simboliza a escuridão e uma das virtudes mais importantes do ser humano: a paciência. Com esta Deusa, amargurada e impulsiva tal como a sua congénere Grega, nunca se sabe o que se pode esperar. Os seus súbitos já programaram a sua morte por diversas vezes, mas ela regressa sempre, mais poderosa e apagada do que nunca. Já recusou vários convites para posar nua na Playboy, porque diz que ninguém a entende nem consegue ver a sua verdadeira essência.




Olhem, uma boa ideia para o Governo, neste momento em que decorrem negociações no Conselho de Concertação Social. Aumentos de salários? Olhem bem para esta figura e depois venham ter comigo!





Atenção, mulheres de Cabo Verde:

Estão cansadas daqueles homens que dentro dos transportes públicos, sentados ou não, não param de olhar para vocês? E mesmo que possam sentir algum orgulho no início - afinal uma crioula é sempre uma crioula - a insistência e a forma desagradável como são praticamente comidas pelo olhar alheio, acaba por provocar algum desconforto.

Sendo assim, aqui vai uma técnica infalível:

1. Tira o teu portátil da mala,
2. Abre-o lenta e calmamente,
3. Liga-o;
4. Assegura-te que o mirone vê bem o ecrã;
5. Abre a tua pagina favorita;
6. Fecha os olhos e vira a cabeça para o céu;
7. Ganha inspiração e abre esta página;
8. Olha para a cara do coitado...


Genial, não?

Imagem do filme «Assédio» de Bernardo Bertulocci
Recebido por mail



Comentário Cafeano: convém tudo isto ser feito com alguma rapidez. A possibilidade de um cassubody que estrague os planos e vos faça ficar sem o portátil, não pode ser desprezada...





Que legenda, para esta imagem?


À melhor legenda, ofereço um café




Segundo o blogue de Nuno Gouveia - o meu preferido para seguir a par e passo as eleições presidenciais americanas - «Sarah Palin pode ter muitos defeitos. Mas para as televisões americanas, ela tem sido um bónus de audiência. Que o digam os produtores do Saturday Night Live, que tiveram os melhores níveis de audiência nos últimos 14 anos. O programa, que contou com a participação da Governadora do Alaska, teve uma audiência de 14 milhões de espectadores, sendo que no inicio do programa chegou a ter 17 milhões.»

Comentário Cafeano: não é de admirar. O povo americano, em particular, e o ser humano, em geral, sempre gostou de uma boa comédia.



Vai estar em reposição, na cidade da Praia, nos próximos dias 24 e 25 de Outubro, Sexta e Sábado. Por enquanto, podemos apreciar estas fotos da peça «Uma Mulher, um Homem e um Frigorífico», de Mário Lúcio Sousa, numa encenação de João Paulo Brito, com Raquel Monteiro e Valdir Brito nos principais (e únicos) papeis.








Fotografias de Anselmo Fortes


A carregar...